Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

8 Sinais Menos Óbvios De Que Um Ente Querido Está Sofrendo De Ansiedade

Nem sempre é fácil saber quando alguém que você gosta está sofrendo de ansiedade: não é todo mundo que vai dizer abertamente sobre sentimentos e muitos vão tentar ativamente esconder o sofrimento.

Uma pesquisa feita pela Associação Da Saúde Mental Dos Estados Unidos mostrou que quatro de cada cinco pessoas entre 18 a 34 anos admitiram sentir os sintomas da ansiedade.

Crianças também podem mostrar sentimentos de ansiedade de maneira diferente dos adultos, portanto se você é um pai ou uma mãe, você precisa conhecer os sinais.

Aqui vão apenas algumas das pistas para prestar atenção em amigos, família e colegas de trabalho:

1. Eles Dizem Que Estão Fisicamente Doente.

A ansiedade muitas vezes leva a sintomas físicos como dores de cabeça e dores no estômago.

Em um ataque de pânico, as pessoas podem sentir sintomas físicos como dores no peito e falta de ar, mas não sabem que estão tendo um ataque de pânico.

A ansiedade também pode piorar ainda mais certas doenças físicas, como a eczema.

Rachael Boyd, gerente de informações da saúde mental, diz:

“Para algumas pessoas, o foco da ansiedade pode ser saúde física, o que significa que elas passam muito tempo se preocupando com a possibilidade de ter alguma doença séria ou ficam muito auto conscientes de qualquer problema de saúde físico”.

Especialmente se são crianças…

Pode ser difícil para as crianças lidarem com ansiedade porque elas não têm a linguagem necessária para articular como elas se sentem.

Crianças ansiosas podem começar a “fazer cena”.

Uma criança ansiosa pode começar a fazer xixi na cama, ter acidentes frequentes no banheiro durante o dia, atacar outras crianças e se recusar a comer certos alimentos.

Outras crianças ansiosas podem ficar excessivamente apegadas ou fazer birras com frequência.

A doutora Joanna Silver, especialista na Unidade Infantil Do Hospital Nightingale diz:

“Muitas vezes crianças ansiosas podem reclamar de doença física com frequência, como dores de cabeça e dores no estômago.

Pode ser mais fácil para uma criança falar sobre sintomas físicos do que sobre sintomas psicológicos”.

Leia também: 10 Sinais De Uma Criança Ansiosa

2. A Pessoa Está Com Problemas De Sono.

Pessoas sofrendo de ansiedade podem muitas vezes sentir cansaço porque o corpo exagera na produção de adrenalina, o que as colocam no módulo luta ou fuga.

Porém, também é verdade que muitas pessoas sofrendo de ansiedade descobrem que a ansiedade afeta a capacidade de ter uma boa noite de sono, já que ela piora à noite quando tem menos formas de distração.

A doutora Silver diz:

“Muitas vezes as pessoas ansiosas podem dormir em excesso ou, alternativamente, podem ter dificuldades para cair no sono ou acordam várias vezes durante a noite.

É comum as pessoas ansiosas terem pesadelos”.

3. Elas Precisam De Reafirmação Em Excesso.

A ansiedade causa um impacto tanto no corpo quanto na mente.

Sintomas psicológicos incluem a sensação de tensão e nervosismo, pensar neuroticamente numa situação preocupante e sentir que outras pessoas estão reparando na ansiedade delas.

Raquel diz:

“Você também pode notar que a pessoa pede muitas reafirmações, ou parece muito menos confiantes com coisas que normalmente não teria problema nenhum”.

4. Os Hábitos Alimentares Da Pessoa Mudou.

A sensação de ansiedade pode ter um grande impacto nos hábitos alimentares, por isso quem sofre de ansiedade pode comer mais ou menos do que comia antes.

Como resultado do estresse, as crianças podem mudar de comportamento na hora de comer, restringindo comida, ou exagerando em algum alimento pouco saudável.

A doutora Silver diz:

“Muitas vezes as pessoas que são muito ansiosas não vão conseguir comer porque não tem apetite.

Outras pessoas podem restringir a alimentação ou comer sem parar como forma de atenuar os sintomas da ansiedade”.

5. A Pessoa Desenvolve Tendências Perfeccionistas.

Um sinal comum é uma falta de interesse na aparência física, mas uma manifestação menos óbvia da ansiedade pode ser exatamente o oposto.

Algumas pessoas com ansiedade podem ficar ansiosa com a aparência e gastar muito tempo e dinheiro tentando parecer “perfeitas”.

No trabalho, ansiedade pode significar que alguém se tornou perfeccionista demais, levando mais tempo do que o normal para completar um trabalho.

Isso pode ser difícil de notar em muitas situações porque, além de serem perfeccionistas, pessoas com transtornos da ansiedade são conhecidas por serem naturalmente responsáveis, inteligentes, compassivas, pensadoras e que se esforçam para agradar outras pessoas.

Portanto o que você precisa estar procurando é por um aumento nesses comportamentos.

Outra manifestação da ansiedade é o comportamento obsessivo.

A doutora Silver diz:

“Comportamento obsessivo como lavar as mãos excessivamente pode ser um sinal menos óbvio da ansiedade em um ente querido”.

Leia também: Como O Facebook Pode Amplificar A Baixa Autoestima, Narcisismo E Ansiedade

6. A Pessoa Tem Dificuldade Para Se Concentrar.

Quando a pessoa está ansiosa, ela fica mais propensa a ruminar situações negativas, o que pode contribuir para a dificuldade de concentração.

Então você pode notar que uma pessoa ansiosa está muitas vezes atrasada para o trabalho ou não consegue focar nas tarefas que normalmente faria com facilidade.

7. As Crianças Podem Matar Aula.

Quando se trata de ansiedade não diagnosticada em crianças (algo parecido como um adulto incapaz de se concentrar no trabalho), às vezes a ansiedade significa que as crianças estão com dificuldades na escola.

A importância da escola na vida de uma criança não pode ser subestimada, mesmo assim a ansiedade tem uma tendência de afetar essa área da vida de uma criança de maneira significativa.

A doutora Silver diz:

“Algumas crianças podem evitar falar sobre dever de casa, podem não querer estudar e evitam ir para a escola”.

8. A Pessoa Não Atende O Telefone.

Se um amigo ou parente começa a evitar atividades que costumava gostar, ou está passando mais tempo sozinho, pode ser um sinal de que algo não está certo.

Sinais específicos — mas não óbvios — de comportamento de evasão é começar a pegar táxi em vez de usar o transporte público, inventar desculpas para evitar sair com a família ou amigos, sentar no final da fila no teatro ou cinema, só fazer compras quando o lugar costuma estar vazio, dirigir em ruas menores para evitar as mais movimentadas e atravessar a rua para evitar as pessoas.

Rachel diz:

“Pessoas que sofrem de ansiedade podem descobrir que estão fugindo ou escapando, ou gastando muito tempo e energia se esforçando para evitar situações ansiosas.

Se você tem ansiedade social, você também pode evitar situações que disparam sua ansiedade, como encontrar com os amigos, sair para fazer compras ou até mesmo atender o telefone”.

Se você ou alguém que você gosta está sofrendo de ansiedade, o site ansiedade e pânico pode ajudar.

Comece fazendo um teste de ansiedade ou informando seu e-mail para mais informações.

Sentindo-se Assustado O Tempo Todo? Aqui Está O Que Fazer

Se você fosse simplificar o que é ansiedade, você pode descrevê-la como o mecanismo do medo que não está funcionando corretamente.

Você já viu um detector de fumaça que disparou mesmo quando não havia fumaça?

É assim que é viver com ansiedade — seu corpo fica assustado, mesmo quando não existe nenhuma ameaça assustadora.

Então o que você pode fazer quando você sente medo o tempo todo — fisicamente, mentalmente ou os dois? Vamos explorar isso nesse artigo.

Ansiedade E Vivendo O Tempo Todo Assustado.

Não está completamente claro por que as pessoas com ansiedade tem o mecanismo do medo quebrado.

Em geral, acredita-se ser um defeito na maneira de lidar com os problemas, que foi aprendido (com as situações da vida) ou por causa da genética (no seu DNA), ou pelas duas razões.

Se você está procurando um perfil da ansiedade e ideias de tratamento, não deixe de fazer esse teste de ansiedade gratuito.

Leia também: 14 Relatos Da Síndrome Do Pânico: Vivendo Com A Ansiedade Extrema

Sintomas Físicos Que Indicam Que Você Está Constantemente Assustado.

A ansiedade envolve muitos pensamentos assustadores, mas o básico da ansiedade está no lado físico.

Quando você tem ansiedade, seu corpo fica em alerta como se você estivesse encarando um predador, liberando adrenalina e causando uma série de mudanças no seu corpo, tudo desenhado para você se proteger do perigo.

Com a exceção de que não existe perigo, e a ansiedade não para.

Assim, com o tempo, você continua sentindo cada vez mais os sintomas físicos da ansiedade e não consegue melhorar.

É por isso que a ansiedade é descrita como o mecanismo do medo que não está funcionando corretamente.

Sintomas Mentais Da Ansiedade.

Por outro lado, um dos mistérios mais estranhos é por que ansiedade causa sintomas mentais.

Sozinha, a adrenalina não causa pensamentos ansiosos (com algumas poucas exceções para os ataques de pânico, apesar dos pensamentos serem relacionados sobre a saúde, por causa dos sintomas físicos), mas ela leva a uma sensação generalizada de nervosismo.

Alguns pesquisadores acreditam que a sua mente está reagindo ao seu corpo.

Como seu corpo está nervoso, sua mente fica nervosa.

Existem algumas evidências de que a mente se adapta à maneira como o corpo fica.

É por isso que as pessoas acreditam que, quando você se exercita e cansa seu corpo, seus pensamentos acabam ficando mais relaxados também.

No entanto, outra razão provável é que você perdeu sua capacidade de lidar com o estresse, e sua mente traduz pensamentos estressantes em ansiedade, que acaba virando uma bola de neve sem controle.

Sua mente é frequentemente sua pior inimiga, portanto quando você está se sentindo assustado por causa da ansiedade, quanto mais pensamentos acelerados você tiver, mais nervoso você pode esperar.

Isso é uma simplificação de coisas mais complexas envolvidas.

Por exemplo, um fenômeno conhecido como “supressão do pensamento” é uma das razões para os pensamentos recorrentes, e também existem problemas hormonais e problemas nos neurotransmissores que podem alterar pensamentos e interpretações, causando pensamentos assustadores.

Como Parar De Ficar Assustado O Tempo Todo.

É claro que, saber a causa desse sentimento não é necessariamente útil.

Você provavelmente está procurando uma maneira de parar de ficar assustado o tempo todo, para poder viver sem ansiedade.

Nós falamos sobre exercícios físicos antes, e exercício é o primeiro passo.

Existe uma infinidade de estudos científicos que defende a atividade física para acalmar a ansiedade, porque existem vários componentes que promovem o relaxamento e reduzem a sensação de estar assustado.

Vale lembrar também que, mesmo que ansiedade tenha um componente físico forte conforme mencionado acima, existe uma quantidade considerável de evidências que você pode aprender ferramentas que ensinam seu cérebro a não reagir de maneira tão intensa à ansiedade e medo.

A mente e o corpo estão conectados, e você pode controlar sua ansiedade física se você conseguir controlar mentalmente o medo.

Além disso, considere o seguinte:

Leia também: 10 Formas De Parar A Ansiedade Rapidamente

Distrações Mentais.

Nós mencionamos antes que sua mente é sua inimiga quando você tem ansiedade.

Se você deixar mais difícil para sua mente focar nas coisas que podem causar medo, você vai ficar menos propenso a disparar os sintomas que causam os sentimentos de ansiedade.

Portanto tente distrair o dia todo com atividades divertidas, ligações telefônicas, músicas positivas, vídeos engraçados e outras coisas que não causam ansiedade e distraem sua mente.

Vá Caminhar.

Já mencionamos que atividade física é valiosa para prevenir e curar a sensação de estar assustado, mas nós deveríamos também mencionar que uma caminhada ou corrida não só previne, como também reduz os pensamentos assustadores.

Uma simples caminhada perto da sua casa ou trabalho coloca o sangue para circular melhor e fornece estímulos visuais e mentais.

Além disso, caminhar pode reduzir um pouco da adrenalina na sua corrente sanguínea, o que é importante para manter a ansiedade longe.

Escreva Seus Pensamentos.

Quando os pensamentos ansiosos estão incomodando você, escreva esses pensamentos.

Sua mente tem a tendência de focar nos pensamentos quando eles aparecem porque ela está tentando fazer você prestar atenção neles.

Mas a mente também relaxa quando ela sabe que você gravou esses pensamentos em algum lugar que você pode consultar a qualquer momento.

Essas estratégias básicas, combinadas com um estilo de vida mais saudável e mais relaxante, vai garantir que você tenha o mínimo de pensamentos assustadores possível na sua rotina diária.

É claro que, no final das contas você ainda vai precisar adaptar sua vida com estratégias anti ansiedade.

Eu recomendo você fazer meu teste rápido e gratuito para saber seu nível de ansiedade agora mesmo.

Você também vai receber mais informações sobre opções recomendadas de tratamento.

Comece o teste aqui.

4 Maneiras Como O Açúcar Pode Estar Prejudicando Sua Saúde Mental

Uma dieta rica em açúcar tem impactos tanto na saúde física quanto na saúde mental.

A maioria das pessoas sabem que comer sobremesas demais e alimentos processados podem contribuir para problemas de saúde físicos como a obesidade e diabetes tipo 2.

No entanto, muito menos atenção tem sido dada para os impactos de uma dieta rica em açúcar na saúde mental, mesmo quando inúmeros estudos mostram os efeitos prejudiciais que um vício por açúcar pode ter no humor, capacidade de aprendizado e qualidade de vida.

Além de inflar a cintura, o açúcar e outros adoçantes, incluindo o xarope de milho de alta frutose, mel e melaço podem contribuir para um número de problemas de saúde mental:

1. Depressão

A montanha-russa de níveis altos de açúcar no sangue seguido de uma diminuição abrupta pode piorar os sintomas de transtornos como a depressão.

Pesquisas têm associado o consumo pesado de açúcar a um risco aumentado de depressão e piores resultados em indivíduos com esquizofrenia.

Existem algumas teorias explicando essa ligação.

O açúcar reprime a atividade de um hormônio chamado BDNF que é baixo em indivíduos com depressão e esquizofrenia.

O açúcar também é a raiz da inflamação crônica, que tem impacto no sistema imunológico, no cérebro e outros sistemas no corpo.

Também tem impacto na depressão.

É interessante notar que países com alto consumo de açúcar também têm uma alta taxa de depressão.

Leia também: Açúcar E Ansiedade: Devo Cortar Tudo Que É Doce?

2. Vício

Apesar de controverso, um número crescente de evidências aponta o potencial viciante do açúcar.

Assim como drogas ilícitas, o açúcar e alimentos processados, em menor grau, também provocam uma enchente da química do bem-estar dopamina no cérebro.

Com o tempo isso muda o funcionamento do cérebro.

Em um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Yale, um simples copo de milkshake ativou os mesmos mecanismos de recompensa no cérebro que a cocaína entre as pessoas com hábitos viciantes de alimentação.

Um estudo de 2007 mostrou que ratos incrivelmente preferiram água com açúcar a cocaína.

Ratos alimentados com produtos açucarados e gordurosos demonstraram sintomas clássicos de vício incluindo sintomas de abstinência quando pararam de receber esses ingredientes.

3. Ansiedade

A dieta moderna, que está cheia de açúcar e gordura, não causa ansiedade necessariamente, mas parece piorar os sintomas da ansiedade e prejudicar a capacidade do corpo de lidar com o estresse.

Indivíduos que sofrem de síndrome do pânico, por exemplo, ficam super alertas a sinais de perigo iminente.

O açúcar pode causar visão embaçada, dificuldade de pensar e fadiga, sintomas que podem ser interpretados como sinais de um ataque de pânico, aumentando assim a preocupação e o medo.

Um disparo e mergulho nos níveis de açúcar no sangue pode causar tremores e tensão, o que pode piorar ansiedade.

Pesquisas estabeleceram uma correlação entre o consumo de açúcar e ansiedade.

Em um estudo de 2008, ratos que passaram por uma maratona de consumo de açúcar e depois ficaram em jejum mostraram ansiedade, e em um estudo de 2009, ratos alimentados com sacarose ficaram mais propensos a sofrer de ansiedade.

Embora mudanças na dieta não consiga curar ansiedade completamente, pode minimizar os sintomas, aumentar a energia e melhorar a capacidade do corpo de lidar com o estresse.

4. Aprendizado E Memória

O açúcar também pode comprometer suas habilidades cognitivas como aprendizado e memória.

Em um estudo feito em animais pela Universidade da Califórnia, seis semanas de consumo de uma solução à base de frutose parecida com refrigerante fez os ratos se esquecerem do caminho para fora de um labirinto, enquanto que ratos que comeram alimentos nutritivos encontraram a saída mais rápido.

A dieta rica em açúcar causou resistência à insulina, o que consequentemente prejudicou a comunicação entre as células cerebrais que abastecem a formação de memória e aprendizado.

Ao reconhecer esses e outros riscos, as tendências no consumo de açúcar parece estar mudando.

As pessoas estão consumindo menos açúcar… Cerca de 13% das calorias diárias… O que ainda é muita coisa, mas é um progresso claro, já que uma década atrás a taxa era de 18%.

Nosso organismo não foi desenvolvido para administrar a quantidade de açúcar que tem se tornado comum na dieta moderna.

Pelo menos agora nós estamos começando a reconhecer que a mente e corpo estão intrinsecamente conectados e os dois devem ser bem nutridos para uma saúde otimizada.

Como Parar De Sentir Nervoso Por Causa Da Ansiedade

O nervosismo da ansiedade se refere a todos os sentidos: tenso, agitado, com raiva, preocupado e estressado.

Mesmo quando nada está acontecendo, você se sente tenso.

Você fica nervoso(a). Você sente nervosismo com alguma coisa na sua vida.

Talvez você esteja nervoso por causa de alguém que você gosta.

Talvez você está nervosa com sua própria segurança.

Talvez você esteja nervoso porque outras pessoas vão ver você socialmente.

Talvez você nem sabe o porquê de estar sentindo nervosismo, mas você sabe que está nervoso.

Pessoas ansiosas geralmente sentem esse sintoma de nervosismo, que geralmente vem com preocupações exageradas.

A cidade muda os padrões de pensamento.

Ela literalmente faz você sentir como se tivesse algo para ficar apavorado, mesmo quando você nem deveria ficar preocupado.

E para muitas pessoas isso pode causar uma quantidade significativa de nervosismo.

Leia também: 10 Coisas Que Você Pode Fazer Para Melhorar Sua Ansiedade Em Situações Sociais

Pensamentos Nervosos Incontroláveis.

O nervosismo na verdade é uma emoção saudável.

Se você não conseguisse ficar nervoso, você correria muito mais riscos e possivelmente se colocaria em perigo.

O nervosismo é uma ferramenta que seu corpo usa para notificar você que você deveria ficar com medo, e sem o nervosismo você não teria ideia de que precisa lutar ou fugir de qualquer situação.

No entanto, esse nervosismo precisa ser contido.

Se você fica nervoso o tempo todo, isso pode indicar que você precisa de ajuda. Clique aqui para fazer meu teste rápido de ansiedade e aprender mais.

Como Saber Se Seus Pensamentos Nervosos Estão Fora De Controle.

O que deixa a ansiedade frustrante no começo é que muitas pessoas não sabem que tem ansiedade.

Quando alguém desenvolve ansiedade, elas notam que acabam achando cada vez mais motivos para inspirar sentimentos de nervosismo.

Esse nervosismo é um estímulo produzido pela ansiedade.

Geralmente os sintomas físicos são os primeiros sinais de que você desenvolveu um transtorno de ansiedade.

Quando seu nervosismo tende a causar:

  • Coração acelerado.
  • Tensão muscular severa.
  • Náusea ou sensação de estar doente.

Esses sinais frequentemente sinalizam que sua ansiedade está piorando.

Além do mais, pessoas com ansiedade tem pensamentos em forma de bola de neve, que desce até para os piores cenários.

Elas não conseguem controlar os pensamentos nervosos sozinhas, e podem até entrar em pânico pensando nas piores situações.

É esse nervosismo involuntário e potencialmente fora de controle que indica que algo está errado com sua habilidade de administrar a ansiedade.

Se esse nervosismo aparece junto com sintomas físicos da ansiedade, isso pode ser um indicador maior de que você está sofrendo com um problema real de ansiedade.

Maneiras De Tratar O Nervosismo.

Uma das perguntas mais difíceis de responder é como você pode controlar seus pensamentos nervosos.

Vários estudos psicológicos confirmaram que é impossível se esforçar para parar de pensar em alguma coisa.

De fato, alguns estudos mostraram que tentar não pensar em alguma coisa pode fazer você pensar mais ainda nisso, porque você vai ter que continuar lembrando você mesmo para não pensar no pensamento ansioso, disparando assim a lembrança.

Idealmente, você precisa encontrar uma estratégia que vai controlar o nervosismo e não necessariamente eliminá-lo.

Felizmente existem muitas opções eficazes para parar o pensamento nervoso:

Escrever Os Pensamentos No Papel.

Uma coisa que aumenta a frequência dos pensamentos nervosos é o fato do seu cérebro querer ficar lembrando desses pensamentos.

Por alguma razão, sua mente fica apavorada se esquecer de coisas que ela acha importantes, consequentemente você acaba focando nesses pensamentos nervosos mais do que o necessário.

Se você escrever seus pensamentos em um pedaço de papel, você basicamente vai estar tirando a informação do seu cérebro e colocando em um lugar permanente.

Isso deverá reduzir a necessidade da sua mente de fazer você lembrar desses pensamentos.

Vá Correr.

Tensão física é uma característica de um problema de ansiedade, e também é um dos principais problemas que afeta pessoas com nervosismos intensos.

A tensão física também parece contribuir para os pensamentos nervosos, de uma forma tão misteriosa que os pesquisadores ainda não conseguiram entender.

Você pode resolver os dois problemas com uma simples caminhada ou corrida leve.

Correr cansa os músculos e pode reduzir os sintomas da ansiedade que você está sentindo naquele determinado momento.

Também ajuda a melhorar sua capacidade de gerenciar a ansiedade de maneira geral.

Distrações Mentais.

Você não consegue forçar você mesmo a parar de pensar um pensamento nervoso ou uma preocupação exagerada.

O que você consegue fazer é focar em coisas diferentes, consequentemente dificultando ou impedindo os pensamentos nervosos e preocupações de dominar em sua mente.

Algumas distrações mentais eficazes e fáceis de fazer incluem:

  • Assistir alguma coisa engraçada na tv.
  • Parar para brincar com seu animal de estimação.
  • Arrumar a casa.
  • Pintar um quadro ou qualquer outra arte.

Esse tipo de combinação distrai todos os seus sentidos e não deixam você se concentrar nos pensamentos negativos.

Exercícios De Relaxamento.

Existem várias estratégias de relaxamento que podem ser eficazes também.

No entanto, isso exige prática.

Muitas pessoas tentam criar o hábito de praticar atividade física e fazem a matrícula na academia, só para descobrir depois que isso não ajudou.

Isso acontece porque exercícios de relaxamento não ajudam enquanto você não praticar o suficiente para virar um hábito automático.

No começo, o foco está em fazer os exercícios corretamente.

Só depois de você saber como fazer os exercícios corretamente, eles vão começar a produzir efeitos benéficos.

Alguns dos exercícios de relaxamento mais populares incluem:

Meditação com afirmações.

Respiração profunda.

Relaxamento muscular progressivo.

Visualização.

Ioga.

Alongamento.

Musculação.

Converse Com Alguém.

A terapia é uma ferramenta incrivelmente valiosa para controlar os pensamentos nervosos, porque ela combate diretamente os processos defeituosos de pensamento.

Porém, para as pessoas que não podem pagar por terapia ou se recusam a procurar terapia, conversar com alguém que gosta de você é sua melhor aposta.

Além de receber uma perspectiva de alguém que é importante na sua vida, você também vai perceber que fica mais difícil concentrar no que deixa você nervoso quando você conversa com um amigo muito próximo ou com os pais, por telefone ou pessoalmente.

Nenhuma dessas estratégias vão parar os pensamentos nervosos de uma vez por todas.

Mas o que você pode fazer é garantir que não vai se prejudicar por causa dos pensamentos nervosos.

Cada uma dessas estratégias é uma ferramenta que diminui a quantidade de foco e atenção que você coloca nesses pensamentos nervosos e preocupações, facilitando o desafio de lidar com os sintomas subsequentes da ansiedade.

Como Parar Os Pensamentos Nervosos No Longo Prazo.

Pessoas nervosas o tempo todo precisam tratar a ansiedade como tratariam qualquer transtorno ou doença.

Elas precisam se comprometer com um tratamento.

Da mesma maneira que você trataria alguma doença séria, o único jeito de encontrar o alívio da ansiedade é se dedicar a um tratamento, e não se esquecer de ir até o fim para curar permanentemente os sintomas da ansiedade.

Eu já ajudei milhares de pessoas sofrendo com nervosismo exagerado, que nada mais é do que um sintoma da ansiedade.

Com meu tratamento, a ansiedade dessas pessoas nunca mais voltou.

Comece fazendo o meu teste de ansiedade gratuito.

É um teste desenvolvido especificamente para determinar seu nível de ansiedade e a melhor opção de tratamento.

Clique aqui para começar.

10 Sinais De Uma Criança Ansiosa

Quais são os sinais da ansiedade nas crianças?

Muitos pais e até mesmo profissionais da saúde mental não vão notar os primeiros sinais de ansiedade em uma criança, porque muitas vezes os sintomas da ansiedade nas crianças são amplamente diferentes do que nós imaginamos. Os sintomas comuns da ansiedade geralmente não aparecem até a idade da criança ir para a escola.

Mas por que esperar?

E se você pudesse detectar os primeiros sinais e procurar ajuda para sua criança enquanto ainda dá tempo de evitar problemas maiores?

Existem alguns sinais óbvios de ansiedade nas crianças, como medos e fobias em excesso, mas também existem outros sinais mais sutis que indicam um temperamento sensível e ansioso.

Alguns disparadores precoces da ansiedade não são problemas relacionados a medo, mas sim problemas relacionados ao comportamento e processamento dos estímulos e sensações.

Crianças com problemas de processamento sensorial são muito mais propensas a terem transtornos de ansiedade também.

Muitas crianças vão ter problemas sensoriais e vão ser diagnosticadas com ansiedade quando entrarem na escola.

Uma intervenção no começo é a chave para os dois problemas — portanto é importante fazer uma avaliação com um profissional da saúde mental especialista em saúde mental infantil, junto com um terapeuta ou pediatra.

Abaixo estão 10 dos sinais mais comuns de ansiedade nas crianças (ansiedade infantil):

1. Medos E Fobias.

Em primeiro lugar, vamos apontar o sinal mais óbvio da ansiedade nas crianças — medos e fobias.

Crianças com uma personalidade ansiosa tendem a ter mais medo do que uma criança comum.

Uma criança normal também pode exibir alguns desses medos, mas o nível do medo que às vezes diferencia a criança ansiosa da criança não ansiosa.

Os medos mais comuns nas crianças estão centrados em alguns temas básicos:

  • Insetos, animais e pássaros.
  • Sombras e escuridão.
  • Monstros, criaturas e dinossauros.
  • Medo do banheiro (medo de ser sugado pela descarga, ou medo de insetos).
  • Medo no chuveiro (medo de ser engolido pelo ralo, insetos no chão ou na água).

Essa lista não é exaustiva, mas apresenta os medos mais comuns nas crianças e que seu filho pode ter.

Leia também: Sintomas Da Ansiedade Na Adolescência

2. Rigidez Na Rotina.

Toda criança pequena adora rotina e estrutura, mas crianças ansiosas não conseguem sobreviver sem essa rigidez e rotina.

Crianças ansiosas precisam de um dia bem planejado, de maneira bem previsível.

Se os planos mudarem de repente, essas crianças ficam completamente desgrudadas.

Crianças ansiosas não conseguem lidar com as mudanças ou transições, e frequentemente manifestam mau comportamento até com as mudanças mais simples que acontecem na rotina delas.

3. Sensibilidade A Barulhos.

Crianças ansiosas são mais propensas a terem alta sensibilidade.

Elas geralmente ficam mais incomodadas com ruídos no ambiente.

Elas podem ficar com medo de sons barulhentos como o caminhão do lixo, descargas automáticas e música alta.

4. Problemas Com A Roupa.

Além dos ruídos, as crianças ansiosas também podem ter problemas com a roupa que estão vestindo.

É comum crianças ansiosas terem dificuldade com a costura das meias ou etiquetas e botões na roupa.

Algumas crianças preferem vestir crocs.

Algumas crianças ansiosas se recusam a vestir calça jeans ou roupas que ficam apertadas no corpo.

5. Não Gostam De Sujar As Mãos.

Algumas crianças ansiosas ficam muito preocupadas com a sujeira — e tem medo de se sujar, especialmente medo de sujar as mãos.

Crianças ansiosas muitas vezes evitam lugares muito bagunçados e podem até mesmo ter um pequeno desmaio se as mãos ficarem sujas demais.

Elas muitas vezes insistem em lavar as mãos no mesmo instante que notarem alguma sujeira.

Leia também: Síndrome Do Pânico Em Crianças E Adolescentes

6. Elas Têm Muitos Rituais.

Crianças ansiosas tem muitas rotinas, que vão além do comportamento metódico.

Elas podem querer usar apenas determinados talheres ou podem insistir para os pais servirem a comida de certa maneira (por exemplo, apenas entre ângulos).

Elas podem ter alguma rotina antes de dormir que exige que você coloque os bichinhos de estimação de certa maneira ou exigir um pedido de boa noite de determinada maneira.

Elas podem fazer você refazer as coisas só porque não foram feitas na ordem correta que elas queriam.

7. Muita Exigência Com A Comida.

A maioria das crianças são exigentes com a comida.

Alimentação é uma batalha comum com as crianças.

Porém, a criança ansiosa coloca as exigências com a comida em outro patamar!

Crianças ansiosas são menos propensas a experimentar alimentos novos.

Elas podem exigir que ninguém toque no prato delas.

Algumas crianças ansiosas para de falar quando a comida tem alguma coisa que elas não esperavam.

Crianças ansiosas provavelmente vão escolher pouquíssimos alimentos para comer.

8. Elas Seguem O Pai Ou A Mãe Para Todo Lugar.

A criança ansiosa é a sombra dos pais.

Muitas crianças seguem os pais em pela casa, mas a criança ansiosa pode entrar em completo desespero se não conseguir ver o pai ou a mãe.

Essas crianças não saem dos pés dos pais e choram na porta quando os pais estão no banheiro.

Qualquer tipo de separação é motivo de pânico para a criança ansiosa.

9. Elas Demoram Para Ficarem Simpáticas Com Estranhos.

Crianças ansiosas não são muito amigáveis com estranhos.

Elas provavelmente vão ficar agarradas nas pernas da mãe e pode levar mais tempo para se abrir para pessoas novas nas vidas delas.

Algumas crianças ansiosas podem ficar sufocadas em multidões ou em uma festa de aniversário lotada, onde tem muitas crianças.

Leia também: 10 Formas De Parar A Ansiedade Rapidamente

10. Problemas Para Dormir.

Crianças ansiosas quase sempre tem problemas de sono.

Elas têm dificuldades para dormir sozinhas e querem o pai ou a mãe deitado do lado ou querem dormir com os pais à noite.

Eles podem acordar várias vezes à noite porque tem medo do escuro ou tiveram um pesadelo.

Algumas crianças ansiosas podem ter todas essas 10 características e outras podem até ter apenas algumas.

Cada criança é diferente e ansiedade pode se manifestar de diferentes formas nas crianças.

A boa notícia é que, quanto mais cedo você detectar ansiedade no seu filho ou filha, mais rápido você poderá aprender abordagens para ajudar a construir um nível de resiliência nelas e ensiná-las mecanismos para superar esses desafios.

Se você está preocupado com o comportamento do seu filho ou filha, consulte um terapeuta especializado na saúde mental das crianças ou um médico pediatra para avaliar a situação.

Crianças ansiosas tendem a ser as mais adoráveis.

Um temperamento sensível pode representar uma criança mais forte no futuro.

É importante fornecer às nossas crianças as ferramentas para superar a ansiedade, para que elas possam alcançar o potencial pleno.

Você tem um filho ansioso?

Compartilhe nos comentários do comportamento dela e como é conviver com ele.

Como O Facebook Pode Amplificar A Baixa Autoestima, Narcisismo E Ansiedade

Rede sociais como o Facebook pode magnificar problemas psicológicos negativos.

Muito já foi escrito sobre os impactos positivos e negativos das redes sociais, especialmente sobre o Facebook, que agora tem mais de 2 bilhões de usuários.

As pesquisas sobre os aspectos negativos do uso frequente do Facebook se concentram nas possíveis relações com os estados e comportamentos psicológicos negativos, como ansiedade, baixa autoestima e narcisismo.

A maneira como os usuários de redes sociais criam e monitoram seus perfis online pode dar uma pista sobre seus sentimentos de autoestima e autodeterminação, de acordo com uma equipe internacional de pesquisadores.

“Os tipos de atitudes que os usuários tomam e o tipo de informação que eles estão publicando no Facebook são um reflexo de suas identidades”, segundo um dos pesquisadores Shyam Sundar, Professor de comunicação e diretor do Laboratório de Pesquisas Dos Efeitos da Mídia no Estado da Pensivânia.

Sundar afirma que as pessoas com baixa autoestima estão mais preocupadas com o que as outras pessoas falam sobre elas no Facebook.

Em contraste, os usuários com autoestima mais alta passam mais tempo adicionando informações pessoais sobre a família, educação e trabalho.

Leia também: Redes Sociais, Solidão E Ansiedade Nos Jovens

Usuários com baixa autoestima monitoram constantemente seus perfis no Facebook para apagar publicações indesejadas de outros usuários.

“Quanto mais tempo você fica conectado no Facebook, mais forte é a sensação de que os itens que você publica — por exemplo, suas fotos e frases — são parte da sua identidade.

Você também fica mais propenso a enxergar essas publicações como suas posses virtuais”, diz.

Como os dois grupos de usuários do Facebook (os de alta autoestima e baixa autoestima) enxergam a rede social como uma extensão da auto identidade, eles estão dispostos a pagar por produtos que a rede social oferece, de acordo com Sundar.

Por exemplo, desenvolvedores de aplicativos para redes sociais podem atrair clientes oferecendo customizações para deixar o perfil da pessoa na rede social mais atraente, como tratamento das fotos.

A pesquisa feita por Sundar é consistente com os estudos anteriores.

Um estudo conduzido pela Universidade de Gothenburg na Suécia entrevistou 335 homens e 676 mulheres (com uma média de idade de 32 anos) para ajudar a determinar a relação entre autoestima e uso de Facebook.

Foi descoberto uma relação significativamente negativa entre os dois (quanto maior o uso de Facebook, menor era a autoestima), apesar da principal diferença ser entre os gêneros.

As mulheres que usavam mais o Facebook se sentiam menos felizes e contentes com suas vidas.

Um outro estudo anterior da Universidade da Georgia descobriu que as redes sociais influenciam na nossa autoestima e até certo ponto nas nossas tendências mais narcisistas.

“Apesar do nome rede social, boa parte da atividade do usuário nos sites de relacionamento estão focados na própria pessoa”, de acordo com Brittany Gentile, uma pesquisadora que estuda os efeitos das redes sociais na autoestima e narcisismo.

O estudo, publicado no journal Computers in Human Behavior (Computadores no comportamento humano), sugere que a maioria das pessoas que entram no Facebook todos os dias podem estar estimulando a própria autoestima no processo.

Em teoria, o Facebook pode ser ótimo para as pessoas com baixa autoestima.

Compartilhar é importante para melhorar a amizade.

Mas na prática, pessoas com baixa autoestima parece comportar de maneira contraproducente, bombardeando seus amigos com fatos negativos sobre suas vidas e deixando elas menos simpáticas, de acordo com um estudo publicado no Psychological Science.

“Nós temos essa ideia de que o Facebook pode ser um lugar muito fantástico para as pessoas fortalecerem seus relacionamentos”, diz Amanda Forest da Universidade de Waterloo, com a orientadora dela na época Joanne Wood.

As duas pesquisadoras estudam autoestima e como a autoestima afeta os diferentes tipos de emoções que as pessoas expressam.

As pessoas com baixa autoestima frequentemente não se sentem confortáveis compartilhando cara a cara, mas no Facebook torna possível compartilhar de longe.

Leia também: 5 Causas E 5 Soluções Para Ansiedade De Relacionamento

Em um dos estudos, Amanda e Joanne perguntaram para os estudantes como eles se sentiam e o que achavam do Facebook.

Pessoas com baixa autoestima eram mais propensas a achar que o Facebook fornecia uma oportunidade para conectar com outras pessoas, e percebiam o ambiente como um lugar seguro que reduzia o risco de situações sociais embaraçosas.

Os pesquisadores também investigaram o que os participantes publicavam no Facebook.

Eles perguntaram para os estudantes qual foram suas últimas 10 atualizações de status, e ouviram coisas como “Eu escrevi que tenho sorte de ter amigos incríveis e desejo um bom dia a todos!” e “Estou com muita raiva porque roubaram meu celular”.

Cada atualização de status foi classificada para ver a positividade ou negatividade.

Para cada publicação, estudantes universitários — que eram estranhos para os participantes — classificaram o quanto eles gostaram da pessoa que escreveu a publicação.

Pessoas com baixa autoestima eram mais negativas do que pessoas com auto estima alta — e os estudantes universitários gostaram menos das pessoas mais negativas.

Eles eram estranhos, mas isso é realista.

Durante a pesquisa, Amanda e Joanne descobriram que praticamente metade dos amigos do Facebook na verdade eram estranhos ou colegas, e não amigos próximos.

Os pesquisadores também descobriram que pessoas com baixa autoestima receberam mais respostas dos verdadeiros amigos quando eles postavam atualizações altamente positivas, comparado com outras publicações menos positivas.

As pessoas com autoestima alta, por outro lado, receberam mais respostas quando postavam coisas negativas, talvez porque isso era mais raro para eles.

Portanto as pessoas com baixa autoestima podem se sentir seguras divulgando coisas pessoais no Facebook — mas isso não está ajudando elas.

“Se você está conversando com alguém pessoalmente e você diz alguma coisa, você pode receber alguma indicação de que eles não gostaram, que eles estão cansados de ouvir sua negatividade”, diz Joanne.

Mas quando as pessoas têm uma reação negativa à uma publicação no Facebook, elas parecem manter a reação em segredo.

“No Facebook, você não vê a maioria das reações”.

Os pesquisadores Elliot Panek, Yioryos Nardis e Sara Konrath exploraram a hipótese da rede social refletir e amplificar níveis crescentes de narcisismo na nossa cultura.

Em um estudo publicado online na revista Computers in Human Behavior (link externo),

Os autores acreditam que o Facebook é um espelho e o Twitter é um megafone para a cultura obsessivamente narcisista.

Em outro estudo, Christopher Carpenter, um professor de comunicação na Universidade Western Illinois, afirma que o Facebook tem um lado negro.

Narcisismo é definido como “um penetrante padrão de grandiosidade, necessidade de admiração e senso exagerado de auto importância”, diz ele.

Ele acredita que o Facebook fornece um fórum ideal para o narcisista comum.

Os resultados do estudo confirmaram a hipótese de Christopher de que o exibicionismo está associado a auto promoção e tem correlação com comportamentos antissociais.

Leia também: Solução Poderosa Para Ansiedade E Síndrome Do Pânico

E a ansiedade?

Outro estudo focado nos resultados menos desejáveis do uso do Facebook foi conduzido por cientistas escoceses na Universidade Edinburgh Napier, liderado pela pesquisadora Dra. Kathy Charles.

A pesquisa dela concluiu, entre outras coisas, que:

  • 12% dos usuários estudados disseram que o Facebook deixou elas mais ansiosa ansiosas;
  • 30% disseram que se sentiram culpados por rejeitarem solicitações de amizade;
  • Muitos disseram que sentiram a pressão de aparecer com alguma atualização de status;
  • Muitos não gostaram das diferentes regras da etiqueta online para diferentes amigos e membros da família.

A pergunta óbvia vem à tona, então, em referência a essa pesquisa: se os usuários sentiam mais estresse e ansiedade, porque continuavam usando o Facebook?

A doutora Charles afirma que a grande maioria dos participantes no estudo dela queriam usar o Facebook para manter contato com os amigos e não perder alguma coisa importante.

Isso gera pressão, mantendo os usuários em um estado neurótico similar a jogos de azar — onde você continua jogando porque está esperando a próxima grande coisa acontecer.

A conclusão é que, apesar do uso generalizado e benefícios publicados, sites e aplicativos de redes sociais como Facebook e Instagram podem ter efeitos negativos mais sérios nos usuários.

13 Coisas Para Lembrar Se Você Ama Uma Pessoa Com Ansiedade

Se você já leu outros artigos desse site, você sabe que a ansiedade é uma coisa difícil de lidar.

Não apenas para a pessoa que tem algum transtorno de ansiedade, mas também para você, que convive com essa pessoa.

É emocionalmente desgastante para as duas partes, e a ansiedade de um parente, amigo ou cônjuge pode exigir muito de você o tempo todo.

Muitas vezes, planos precisam ser mudados para acomodar esse problema de ansiedade.

Situações precisam ser evitadas.

O planejamento de tudo precisa ser muito mais meticuloso.

Necessidades emocionais podem mudar diariamente.

Dá muito trabalho cuidar de uma pessoa com ansiedade.

Isso é compreensível, portanto considere essas três coisas quando você estiver lidando com alguém que tem transtorno de ansiedade.

1. Elas São Muito Mais Do Que Apenas Pessoas Com Transtorno De Ansiedade.

Ninguém gosta de ser definido por uma doença.

Se você realmente quer ser uma pessoa que apoia alguém com um transtorno de ansiedade, lembre-se que, não se esqueça de lembrar ele ou ela que você ama o indivíduo por trás do transtorno.

Reconheça que a pessoa é muito mais do que as manias e medos dela.

Parece senso comum fazer isso, porque nós não saímos por aí falando com as pessoas apontando os seus maiores defeitos ou doenças, mas as pessoas têm uma tendência de cutucar problemas de saúde mental.

Eles ainda são seres humanos com toda a complexidade que todo mundo tem.

Não se esqueça disso.

Leia também: 10 Coisas Que Você Pode Fazer Para Melhorar Sua Ansiedade Em Situações Sociais

2. Elas Podem Ficar Cansadas Com Facilidade.

A ansiedade é exaustiva.

Parece que as únicas pessoas que entendem o quanto um transtorno da ansiedade ou síndrome do pânico realmente é exaustiva são as pessoas que também foram diagnosticadas com transtornos da ansiedade.

Ansiedade faz as pessoas viverem num estado super tenso o tempo todo.

Eles estão sempre em alerta, a mente raramente relaxa e o corpo está sempre pronto para lutar ou fugir.

Com essa atenção exagerada, vem a fadiga.

Situações em que pessoas sem ansiedade consegue atravessar normalmente, são muito mais exaustivos para as pessoas com ansiedade.

Alguma vez você já teve uma semana de trabalho estressante, onde todo dia você acorda pensando “Nossa, espero poder tirar uma folga em breve”?

Essa é a vida de uma pessoa ansiosa todo santo dia, e isso cansa.

Lembre-se disso a próxima vez que você forçar alguém com ansiedade para ser mais “produtivo”.

3. Elas Ficam Sobrecarregadas Com Facilidade.

Assim como o estado de alta tensão mencionado no item 2, pessoas ansiosas também ficam sobrecarregadas facilmente por causa da ansiedade.

Elas ficam exageradamente atentas a tudo o que acontece em volta delas.

Cada barulho, cada ação, cada cheiro, luz, pessoa ou objeto.

Para alguém funcionando nesse estado tão alerta, uma situação que não parece tão angustiante (por exemplo, reparar que algumas pessoas estão conversando em uma sala) pode provocar um ataque de ansiedade.

Quando tentar incentivar alguém com ansiedade para ir em algum lugar, tenha em mente que os estímulos que você gosta pode ser extremo demais para eles.

Tente não forçados a passar pela situação.

Tenha em mente que eles podem fugir a qualquer momento.

4. Elas Sabem Muito Bem Que A Ansiedade Exagerada É Irracional Na Maior Parte Das Vezes.

Estar ciente da irracionalidade não diminui os pensamentos acelerados.

Só porque a pessoa sabe da irracionalidade, isso não vai parar a criação de centenas de cenários catastróficos, o que de pior pode acontecer.

Se fosse tão fácil quanto dizer “ok, isso é irracional — não precisa se preocupar tanto com isso”, a grande maioria das pessoas vivendo com ansiedade não teria mais problema nenhum.

Uma das piores coisas sobre ansiedade é o quanto a pessoa consegue ficar ciente da irracionalidade.

Mostrar para a pessoa que tal coisa é irracional não ajuda — eles já sabem disso.

O que eles precisam é de compaixão, compreensão e apoio — eles muito raramente precisam de conselhos sobre como tal situação é irracional (porque isso nem é conselho).

5. Elas Conseguem Falar Sobre Sentimentos…

Você só precisa ouvir.

Ansiedade não significa que a pessoa é incapaz de expressar sentimentos ou de se comunicar (exceto quando estão em estado de pânico. Durante um ataque de pânico elas não conseguem, e você nem deveria tentar puxar assunto nessa hora!).

Tirando essa exceção, eles ainda gostam de conversar e ainda gostam de falar sobre eles mesmos.

Eles vão dizer a você como eles se sentem.

Geralmente, quando as pessoas pensam em alguém com ansiedade, ou qualquer outro problema mental, elas acham que tal pessoa não consegue se comunicar.

Se a pessoa com ansiedade não fala muito, é porque ela escolheu não falar, geralmente por que outras pessoas já menosprezaram ela na última vez que ela se abriu.

Portanto, próxima vez que você achar que a pessoa ansiosa é incapaz de conversar, morda a língua e dê uma oportunidade para ela falar.

E não se esqueça de ouvir.

Leia também: Redes Sociais, Solidão E Ansiedade Nos Jovens

6. Elas Não Precisam De Alguém Perguntando O Tempo Todo “Você Está Bem?” Durante Um Ataque De Pânico.

Quando você ver alguém em estado de pânico e você sabe que a pessoa tem ansiedade, você realmente precisa perguntar “você está bem”?

Você já sabe a resposta.

O coração dela está batendo a um milhão por minuto, as mãos estão tremendo e suando, o peito está ficando apertado, todo o corpo está tremendo diante de tanta adrenalina e a mente acabou de ficar dominada pelo pela reação “luta ou fuga”.

Honestamente, a pessoa provavelmente está achando que vai morrer.

Portanto, em vez de perguntar se ela está bem, tente alguma coisa mais útil e construtiva.

Bons exemplos incluem:

  • – Lembre-se que você está respirando.
  • – Lembre-se de usar a técnica que ajudou você antes.
  • – Você quer que eu leve você para algum lugar mais calmo e mais seguro?
  • – Eu estou aqui se você precisar de mim (Nesse ponto, é melhor deixar ela sozinha, a menos que ela pedir companhia).
  • – Calma, isso é um ataque de pânico, não vai durar muito tempo.
  • – Você superou isso antes, e vai conseguir superar de novo.

O segredo de tudo isso é: se a pessoa pedir para ficar sozinha, deixe ela sozinha!

Ela já tem a experiência para lidar com os ataques de ansiedade.

Deixei a pessoa atravessar o momento do jeito que ela acha melhor.

7. Elas Admiram O Seu Apoio E Compromisso Com Elas.

Ansiedade é difícil para todo mundo envolvido, inclusive você.

Pessoas com transtorno da ansiedade generalizada ou síndrome do pânico e entendem isso, elas entendem a irracionalidade.

Elas entendem que você não fez coisas que gostaria só porque elas não podem.

Por tudo isso, a pessoa que sofre de ansiedade admira você e admira o fato de você continuar com ela, quando você simplesmente poderia se afastar.

Se existe uma coisa em comum que você vai encontrar em todas as pessoas com ansiedade é que elas pensam demais.

Parte desses pensamentos vão sempre para a pessoa que apoia elas, sempre.

Seu apoio sempre será admirado — não importa o tamanho desse apoio.

8. Elas Têm Dificuldade De Deixar As Coisas Para Lá.

Parte da ansiedade são os pensamentos acelerados e exagerados, mas para entendermos isso, precisamos entender de onde vem os pensamentos exagerados.

Quando uma pessoa encara um incidente traumático na vida — o que provavelmente já aconteceu com a pessoa com ansiedade —  as lembranças (se não forem superadas de maneira apropriada) podem ficar armazenadas na parte do sistema límbico do cérebro que a mente usa para determinar se nós estamos “correndo risco”.

A memória fica alojada de maneira completamente diferente, em uma região diferente do cérebro.

Isso faz o cérebro reagir de maneira diferente com essa memória.

O cérebro está ativamente procurando criar ligações entre a memória traumática e a situação presente que ele se encontra (parcialmente a causa do estado de alta tensão).

Quando o cérebro se vê nesse ciclo, esquecer de certas coisas pode ser muito difícil.

Quando o cérebro está treinado para permanecer nesse ciclo através da ansiedade prolongada, “deixar para lá” alguma coisa pode ser uma tarefa difícil.

Pessoas com ansiedade não conseguem “deixar para lá” com a facilidade como uma criança consegue, o cérebro não deixa, portanto não brigue com sua irmã, seus pais ou namorado ou namorada só porque eles não esquecem uma coisa que você fez ou disse.

9. As Mudanças Para Elas São Mais Difíceis (Até Mesmo Se A Mudança Já Era Esperada).

Todo mundo tem uma zona de conforto, com ansiedade ou sem.

Sair dessa zona de conforto já é difícil até para a pessoa mais bem ajustada, e deixar a zona de conforto é ainda mais desafiador para a pessoa com ansiedade.

Isso não é para ser confundido com a sensação de que pessoas ansiosas não gostam de mudanças e não gostam de sair de suas zonas de conforto, porque elas provavelmente vão ter sucesso depois que passarem pelo processo.

Elas apenas acham muito mais difícil do que o normal.

Um dos poucos alívios que a pessoa ansiosa tende a ter na vida para não sentir nenhum sintoma de ansiedade é quando ela pode ficar em casa ou dentro da zona de conforto, sem nenhuma grande mudança em volta dela.

Quando ela se depara com uma grande mudança, pode levar muito mais tempo para ela estabelecer uma zona de conforto novamente.

Lembre-se apenas de ter um pouco mais de paciência e compreensão com as pessoas que tem um transtorno de ansiedade.

Elas estão tentando superar esse problema.

Leia também: Como Lidar Com Seus Medos e Traumas Facilmente

10. Elas Não Estão (Nem Sempre) Ignorando Você Intencionalmente.

Parte do gerenciamento da ansiedade é controlar a voz interior silenciosa.

Às vezes essa voz consome muito tempo.

As coisas mais estranhas aparecem como consequência dos padrões obscuros de pensamento da pessoa com ansiedade.

Se ela se desligou da conversa, é provável que o pensamento obsessivo apareceu por causa de alguma coisa que acabou de ser dita ou ela está tentando acalmar esses pensamentos.

De qualquer forma, isso exige uma concentração enorme.

Ela não está ignorando você, pelo menos não intencionalmente.

Ela está apenas tentando evitar um curto-circuito mental bem na sua frente.

Você não precisa perguntar “você está bem?”.

Você também não precisa interrogar a pessoa por causa das coisas estranhas que viu.

Se for importante, tente gentilmente trazer ela de volta para a conversa quando ela parecer mais atenciosa.

Às vezes a mente da pessoa ansiosa é uma zona de guerra.

Elas vão se retirar de conversas sem avisar e vão se sentir mal por fazer isso depois que notar que agiu de maneira grossa.

Diga a ela que você entende e não esqueça de perguntar se ela compreende completamente qualquer coisa importante que vocês estavam discutindo, especialmente se o assunto envolve assumir alguma responsabilidade.

Anote se for preciso.

11. Elas Nem Sempre Estão Presentes.

Como mencionado no item 10, eles nem sempre estão presentes em uma conversa, mas não é só a conversa que dispara essa reação.

Eventos do dia a dia podem fazer qualquer pessoa se perder em algum ponto ou outro, mas para as pessoas com ansiedade, qualquer coisa serve como disparador de sintomas.

Elas vão mergulhar nas profundezas de suas mentes várias vezes e você provavelmente vai notar a cara de distração delas.

Ao contrário do que mostra os filmes românticos, nem sempre é uma boa ideia cutucar a pessoa enquanto ela está perdida nos pensamentos.

Se for absolutamente necessário, cutuque ela de forma bem Gentil.

Diga onde vocês estão, o que estão fazendo, mas não literalmente, porque a pessoa tem ansiedade e não perda de memória.

Ela vai agradecer você por fazer isso.

12. Elas Não Enxergam Ansiedade Como Uma Limitação (E Você Também Não Deveria).

O transtorno da ansiedade pode causar dor e sofrimento, mas nem sempre é uma limitação.

Ansiedade molda parte da pessoa em questão, mas no final das contas a ansiedade tem o potencial de melhorar a vida da pessoa.

Ela pode fazer a pessoa enxergar o mundo de uma maneira bastante diferente e isso tem um lado positivo.

Os sintomas são horríveis, os pensamentos obsessivos, o fato de deixar de ir a certos lugares ou eventos e todos os sintomas são horríveis, mas tudo na vida tem o potencial de ser horrível.

Só porque pode ser horrível levar a vida com um transtorno de ansiedade, isso não significa que a pessoa ansiosa escolhe enxergar dessa maneira, pelo menos não o tempo todo.

Lembre-se de que parte da personalidade dela é ansiedade.

Lembre-se de que parte dela, a compilação das experiências na vida dela, incluem ansiedade.

Pode ter alguns benefícios também, e muitas pessoas com ansiedade escolhem enxergar esses benefícios, especialmente quando estão melhorando.

E você deveria também.

Leia também: Síndrome Do Pânico: 3 Depoimentos Incríveis

13. Pessoas Com Ansiedade São Incríveis!

Assim como qualquer outra pessoa no planeta, elas são incríveis!

É por isso que você ama ela, não é?

É muito fácil concentrar só no lado negativo de qualquer problema, especialmente transtornos envolvendo a saúde mental, mas parte de superar os problemas é lembrar de como a pessoa se transformou positivamente.

Escolha ver os benefícios.

Escolha ver o lado positivo de cada situação, escolha enxergar que seu amigo ou parente com ansiedade é uma pessoa incrível.

Se eles podem, você também pode.

Tenha isso em mente e toda sua experiência será muito mais fácil, mas pode não ser se você não seguir essas 13 dicas.

Nós somos humanos e somos únicos.

O que funciona para um pode não funcionar para outro, mas existe uma coisa que sempre funciona: compaixão.

Se você extrair alguma coisa desse artigo, que seja o fato de que todo mundo — especialmente aqueles que estão sofrendo com algum transtorno — merece amor e compaixão, é só espalhar.

10 Coisas Que Você Pode Fazer Para Melhorar Sua Ansiedade Em Situações Sociais

Todo mundo já passou por isso alguma vez… em algum evento social tenso, desconfortável ou desconhecido, onde você é forçado a puxar papo com pessoas que você não conhece e que não compartilham os mesmos interesses.

Talvez você seja o desconhecido no lugar onde parece que todo mundo se conhece.

Talvez você não tenha grandes habilidades sociais e tenta “se adequar”.

Talvez você seja uma pessoa introvertida que evita festas ou uma pessoa que precisa de algumas doses de bebida alcoólica para lidar com as sensações desconfortáveis que aparecem quando você está fora da sua zona de conforto.

Ao estudar a ansiedade social crônica, que pode ser um problema muito chato para milhões de pessoas, cientistas e psicólogos descobriram maneiras de treinar a mente com comportamentos construtivos ou adaptativos, coisas que você treina para fazer quando aparecem as preocupações, desconforto e sintomas de ansiedade.

Em vez de achar que deveria ficar em casa, você pode aprender a usar esse tempo para abrir sua mente, praticar correr riscos e alongar seus hábitos mentais um pouco.

Você pode descobrir algumas das suas habilidades que nunca foram exploradas e criar oportunidades para crescer e fazer amizades novas e ampliar sua rede de contatos, elementos essenciais para o bem-estar mental.

Aqui vão 10 coisas para ajudar você a atravessar a noite, a hora ou os próximos 15 minutos, que não tem nada a ver com abrir a janela do banheiro e fugir ou usar esse tempo para ficar mexendo no celular.

1. Retire-se Da Equação.

A coisa mais simples, e muitas vezes a mais difícil de fazer, porque nós como humanos levamos nossos egos para todo lugar.

Primeiramente, não vá logo achando que as pessoas estão julgando você, nem mesmo focado em você.

As pessoas geralmente estão com a cabeça ocupada em causar uma boa impressão e provavelmente não está prestando atenção no que você está fazendo ou dizendo tanto quanto você imagina.

Retire-se da equação e tente focar no que está à sua frente… a comunidade, a comida ou o motivo para o encontro.

Leia também: O Que É Transtorno Da Ansiedade Social? O Que Causa Ansiedade Social?

2. Considere A Humanidade De Todo Mundo.

Retire os rótulos.

As pessoas não são sucessos ou fracassos, populares ou esquisitas, isso ou aquilo.

Pessoas possuem multitudes.

Evite julgar uma pessoa imediatamente ou decidir que ela não é seu tipo de pessoa.

Em vez disso, ouça o que alguém tem a dizer e use isso como uma experiência para seu aprendizado.

Lembre-se que todo mundo é humano, com pontos fortes e fracos, inclusive você.

3. Lembre-se Que As Pessoas Nem Sempre São O Que Parecem Ser.

Muitas pessoas evitam seus próprios sentimentos de vulnerabilidade criando um exterior durão, sabe tudo.

Muitas vezes as pessoas mais arrogantes e orgulhosas são as pessoas mais feridas por dentro.

Introvertidos podem passar a impressão de desinteressados quando na verdade são bons ouvintes que precisam de mais tempo para se envolverem em uma conversa.

Pratique a compaixão olhando a forma como a pessoa se comporta em público.

Você nunca sabe o que uma pessoa passou ou está passando.

Você também nunca sabe as coisas ótimas e horríveis que moldaram a pessoa que você vê na sua frente.

Todos nós somos pessoas com histórias para contar, a diferença é que algumas pessoas não sabem como contar.

4. Faça Uma Entrevista Com Alguém.

Quando você é forçado a puxar papo, faça perguntas.

Um ótimo truque é fingir que a mulher ou o homem do seu lado é uma pessoa que você está entrevistando para um jornal.

Pergunte a cidade que ela cresceu ou como ela veio parar na cidade onde vocês dois moram.

Geografia é um ótimo jeito de criar uma conexão com as pessoas.

Você pode aprender muito sobre alguém descobrindo de onde ela veio, e usar isso como uma oportunidade de descobrir lugares que você nunca ouviu falar.

5. Faça Perguntas Sobre Quem A Pessoa É, Em Vez De O Que Ela Faz.

Muitas pessoas acham mais fácil falar pessoalmente sobre elas mesmas, portanto dê a elas uma oportunidade para serem ouvidas.

Você não precisa ir diretamente para perguntas do tipo “onde você trabalha?” ou “o que você faz?” Lembre-se que as pessoas são muito mais do que o trabalho delas.

Se alguém começar a falar sobre jardim, use isso como uma oportunidade de perguntar como a pessoa se interessou por jardinagem.

Além disso, descubra mais sobre o relacionamento da pessoa com o anfitrião ou a pessoa que organizou o evento.

Às vezes você aprende mais sobre as pessoas que você achava que conhecia bem conversando com os amigos ou colegas de trabalho dela.

Leia também: Um Erro Comum Que Só Piora Sua Ansiedade

6. Reconheça Diferenças Culturais.

A diversidade cultural em situações sociais é uma oportunidade maravilhosa de abrir sua mente e aprender sobre experiências desconhecidas e opiniões diferentes.

Se você está conversando com alguém cujo estilo de vida, raça ou orientação sexual é diferente da sua, você não precisa evitar o assunto.

Nossa cultura e nosso estilo de vida individual é o que nos deixam interessantes e tem o potencial de criar conversas cheias de significado que podem mudar nossa vida.

Você não precisa dizer, “eu notei que você é gay” ou “nossa, sua pele é tão branca perto da minha!”, mas só de ouvir, você pode notar como as pessoas descrevem a própria identidade em uma conversa.

Deixe isso guiar você e suas perguntas.

Dito isso, também é importante lembrar que pode haver diferenças culturais na maneira como as pessoas abordam uma conversa ou se comunicam.

Algumas pessoas cresceram em famílias que ouvem de maneira educada, outras costumam interromper com frequência e ficam emotivos rapidamente, com facilidade.

Um tom de voz alto pode parecer um conflito para algumas pessoas e totalmente normal para outras.

7. Domine Conversas Inapropriadas Com Assuntos Mais Neutros.

Não deixe uma situação embaraçosa ou os comentários imprudentes de alguém tomar conta da conversa.

Se você deparar com uma pessoa que começou a falar sobre um assunto ou está soltando comentários que são obviamente ofensivos e que atacam uma pessoa no grupo, tente conduzir a conversa para uma direção diferente, com assuntos mais neutros.

Discussões sobre política e religião podem facilmente virar um barraco se não forem dissolvidas logo cedo, e aquele hipócrita ou aquele que coloca todo mundo para baixo para se sentir bem não pode ter espaço para estragar a noite.

Mude a conversa para filmes e programas de tv que você adora, ou volte para o modo entrevista com alguém que você não conhece.

8. Não Deixe Os Valentões Dominarem.

Às vezes existe uma pessoa que gosta de cutucar uma ferida, aquela pessoa que quer fisgar as pessoas com comentários na intenção de começar uma discussão.

Bebidas alcoólicas podem deixar algumas pessoas mais agressivas e dão a elas o combustível que elas precisam para menosprezar outros ou para colocar o bêbado no centro das atenções com comportamentos inapropriados.

O ideal é você aparecer para resgatar a pessoa sendo atacada, mostrando todo o seu apoio como ser humano.

Se você é a pessoa que está sendo atacada, tente responder com alguma coisa neutra como “talvez nós podemos conversar sobre isso outra hora”.

Uma alternativa é…

9. Solte Uma Boa Risada.

Ter um senso de humor pode fazer muito bem em momentos embaraçosos e quebrar o gelo em um momento muito sério, que está dificultando as coisas para todo mundo.

Rir também pode ajudar você a fazer uma transição rápida para outros assuntos neutros.

Isso não significa que você tem que contar piadas ou bancar o palhaço, apenas significa reconhecer que as coisas podem ficar mais brandas com uma simples mudança de tom.

Se você é o anfitrião, manter a paz é tarefa sua, e você consegue isso com um pouco de leveza e humor.

Solte alguma frase para distrair, do tipo “agora que nós resolvemos todos os problemas do mundo, vamos tomar uma cerveja!”.

Leia também: Como Resolver O Formigamento Causado Pela Ansiedade E Síndrome Do Pânico

10. Mostre Apreço.

Separe um tempo para agradecer a pessoa ou pessoas que conseguiram juntar todo mundo.

Isso faz todo mundo sentir gratidão e tem o poder de colocar as coisas em uma direção positiva.

Faça um brinde, reitere o motivo para reunir os colegas ou amigos e não se esqueça de destacar o responsável por realizar o evento.

Ache um momento para celebrar algo positivo que está acontecendo no mundo.

Como Superar O Suor Causado Pelo Nervoso E Hiperidrose

Algumas pessoas têm medo de suar por causa do nervoso na frente dos outros, em uma festa, por exemplo, ou reunião no trabalho… ao ponto de ver esse medo e preocupação dominar a cabeça.

O medo de soar se transforma em uma obsessão, e faz a pessoa evitar ocasiões e atividades normais.

Isso é um problema que tem solução, desde que você entenda como o suor excessivo provocado pelo nervoso funciona.

Do que as pessoas que suam quando ficam nervosas tem medo?

Elas têm medo de parecerem estranhas e imperfeitas, quando estão transpirando excessivamente em uma sala com temperatura confortável.

Elas têm medo de outras pessoas pensarem que estão doentes ao ponto de precisar chamar uma ambulância.

Elas têm medo de outras pessoas as julgarem como extremamente nervosas e instáveis, alguém para não ser amigo, para não socializar ou fazer negócios.

A preocupação é achar que outras pessoas vão se assustar, dizendo “meu deus, você está bem?”, e quem sofre com esse problema vai transpirar ainda mais depois de ver todo mundo olhando.

As pessoas com medo de suar variam nos detalhes.

Algumas tem medo do suor aparecer no rosto ou testa, onde é mais visível.

Outras ficam mais autoconscientes por causa das mãos pingando suor, especialmente quando tem que apertar a mão de outra pessoa ou assinar documentos na frente de outras pessoas.

Tem também as pessoas que se preocupam com o suor excessivo debaixo dos braços e peito, com medo do suor excessivo aparecer na roupa.

A maioria das pessoas que tem medo de soar simplesmente transpiram mais do que uma pessoa comum e acaba ficando com vergonha disso.

Geralmente elas têm parentes com o mesmo problema.

Outras pessoas transpiram quando estão ansiosas, especialmente em situações sociais onde elas ficam com medo de serem observadas.

Se acontecer uma vez, elas ficam com medo de acontecer novamente.

Esse medo e esperança de não acontecer novamente, acaba fazendo acontecer novamente.

Já trabalhei com um número de pessoas que vieram até mim exclusivamente para pedir ajuda com esse medo de suor excessivo.

Também já vi pessoas que tinham a transpiração excessiva como um dos sintomas da síndrome do pânico.

Embora haja alguma diferença nos detalhes, existe um padrão geral para esse problema, e isso nos dá um caminho para tratá-lo.

Leia também: Solução Poderosa Para Ansiedade E Síndrome Do Pânico

Fobia Social Ou Hiper-Hidrose?

Suar quando está nervoso está relacionado a um problema chamado hiper-hidrose.

A hiper-hidrose primária causa transpiração excessiva sem uma causa ou disparador conhecido, enquanto que a hiper-hidrose secundária é causada por certos disparadores, incluindo ansiedade.

De maneira geral, se o suor excessivo que você teme só ocorre em situações onde outras pessoas podem ver você, e nunca ocorre quando você está sozinho, isso é um indicador forte de um tipo de fobia social.

Se você procurar na internet, você vai encontrar um monte de medicamentos e até cirurgia disponível para esse problema.

Tenha em mente que as pesquisas para esses tratamentos não são muito fortes.

Se sua hiper-hidrose é secundária, uma ideia inteligente é experimentar métodos menos invasivos antes mesmo de pensar em remédios ou cirurgia.

Acima de tudo, seja um consumidor bem informado, porque a internet está cheia de produtos questionáveis.

Verifique seus sintomas com um profissional da saúde mental primeiro.

Leia também: O Que É Transtorno Da Ansiedade Social? O Que Causa Ansiedade Social?

Como O Suor Decorrente Do Nervoso Se Desenvolve.

Passo Um: As Pessoas Identificam A Transpiração Excessiva Como Um Defeito Vergonhoso.

O primeiro passo para desenvolver o suor excessivo causado pelo nervoso é reparar que você está suando mais ou de maneira diferente em comparação com outras pessoas… e ficando cada vez mais preocupado com isso.

Se todo mundo no planeta tivesse padrões idênticos de transpiração, ninguém ficaria com medo disso.

Muitas pessoas com excesso de suor por causa do nervoso se lembram da primeira vez que isso aconteceu, e essa lembrança desagradável fica na cabeça da mesma forma que a lembrança do primeiro ataque de pânico.

As pessoas acham que o suor excessivo é um defeito, talvez até culpa da própria pessoa.

Elas sentem vergonha, e tem medo de cada gota de transpiração que vai acontecendo.

Passo Dois: Antecipação.

O segundo passo é a antecipação.

Depois que uma pessoa identifica o suor como um problema, não vai levar muito tempo para ela começar a antecipar o suor excessivo.

“E se o suor ficar na minha testa quando eu me apresentar na reunião?” “E se minha mão estiver molhada de suor quando eu tiver que cumprimentar outra pessoa?”

Essa ansiedade antecipatória sugere que você deveria estar pensando em alguma coisa e fazendo alguma coisa agora para prevenir episódios de suor excessivo no futuro.

Aí então você tenta. Isso também é um problema, porque quanto mais você tenta, pior fica.

Passo Três: As Pessoas Tentam Controlar E/Ou Esconder O Suor.

O terceiro passo no desenvolvimento desse problema é que as pessoas recorrem a “comportamentos seguros”, na esperança de prevenir ou esconder o suor excessivo.

Por exemplo, você pode carregar na bolsa ou bolso um monte de lenço para secar as mãos antes de cumprimentar alguém, ou passar o braço na testa quando ninguém está olhando.

Você pode escolher suas roupas pensando sempre em qual delas o suor excessivo vai ficar mais escondido.

Sempre que possível, você fica no lugar mais próximo do ar condicionado na sala.

Outros comportamentos seguros incluem: tomar um banho gelado antes de um evento, uso excessivo de antitranspirantes, desodorantes, perfumes e talco, usar maneiras de evitar apertos de mão, tomar remédios para ansiedade, etc.

Será Que Isso Resolve O Problema Da Transpiração Excessiva?

Provavelmente não.

De fato, quanto mais você se preocupar com isso e tentar esconder a transpiração excessiva, mais ela tende a acontecer.

Do mesmo jeito que acontece com o bocejo, nós não controlamos o processo conscientemente, mas aumentamos o processo quando tentamos escondê-lo.

Quanto mais você se opor a sua transpiração, e tentar escondê-la, maior fica o problema, porque essa resistência e segredo convence você de que você realmente tem uma insegurança vergonhosa que deve ser escondida.

Isso desvia sua atenção e energia do que realmente é importante na sua vida para essa reação fisiológica básica e involuntária.

Você acaba dando importância demais para o problema.

Leia também: 14 Relatos Da Síndrome Do Pânico – Vivendo Com A Ansiedade Extrema

Superando O Suor Por Nervosismo.

Não existe uma forma direta e garantida de abolir o suor excessivo causado pelo nervoso, nem limitar seu suor para uma quantidade que você acha apropriada.

Porém, isso não tem que ser um problema terrível para você. Como primeiro passo, avalie o que você leu aqui.

É verdade que seus esforços para esconder e parar o suor excessivo transformou um pequeno incômodo em um problema gigante?

Caso afirmativo, então talvez uma abordagem diferente vai produzir melhores resultados para você.

A transpiração aqui é tratada como um incômodo.

Se você tem medo de transpirar, você provavelmente está dando importância demais para um pequeno detalhe.

A verdade é que, o volume de transpiração não é um sinal de caráter.

Se você está em uma corrida presidencial, ensopar a camisa durante um debate televisivo pode afundar sua campanha.

Porém, para a pessoa comum, isso não tem tanta importância.

Nós damos importância demais quando tentamos esconder o suor ou lutar contra o suor.

Você consegue diminuir o suor quando fica mais aberto sobre esse detalhe e quando você aceita como algo natural.

O que piora o problema é o medo, o segredo… a tentativa de esconder.

Conforme você vai gradativamente desfazendo esses passos, essa transpiração excessiva será cada vez menos um problema.

A maioria das pessoas com o suor excessivo ficam tão bravas e preocupadas, tão acostumadas com a tentativa de esconder e com o sofrimento de lutar contra, que simplesmente não conseguem parar tudo com de uma vez.

Geralmente é necessário reverter o processo lentamente e ficar gradativamente mais aberto em relação a isso.

Rápidas mudanças não são importantes.

O que é importante é mudar de direção.

Se você está indo para a direção certa, você vai chegar onde você quer.

Redes Sociais, Solidão E Ansiedade Nos Jovens

Será que as redes sociais estão provocando ansiedade e solidão?

Existe alguma relação entre o uso de redes sociais e aumento na ansiedade através de sentimentos de desconexão e solidão?

Olhando por cima, redes sociais como o Facebook, Instagram e Twitter parece ser o meio moderno de facilitar nossa conectividade com as pessoas, compartilhando atividades e notícias, e mantendo contato com os amigos, tanto os velhos quanto os novos.

Porém, todas as tecnologias geralmente são uma mistura de coisas boas e ruins, e as redes sociais modernas não são diferentes.

Em primeiro lugar, a solidão parece ter uma relação recíproca com a ansiedade social.

Ansiedade social é um problema de ansiedade onde a pessoa tem um medo excessivo de situações sociais sem motivo aparente.

Ansiedade social é reconhecida por facilitar a solidão, mas a solidão também aumenta a ansiedade social e sentimentos de paranoia, e isso pode representar um processo cíclico que está especialmente presente nos jovens e nos nossos tempos modernos.

Como as redes sociais podem estar envolvidas na solidão, ansiedade social e paranoia?

Leia também: O Que É Transtorno Da Ansiedade Social? O Que Causa Ansiedade Social?

A solidão nos jovens é amplamente o resultado das redes percebidas de amizade.

Efetivamente, sentimentos de solidão aumentam se o indivíduo tem poucos amigos.

Nos tempos modernos, rede sociais como o Facebook e Twitter são grandes contribuintes para a rede de amigos dos jovens, portanto se você tem a percepção de ser um usuário bem-sucedido nas redes sociais ou não, isso provavelmente terá um impacto nos seus sentimentos de solidão, ansiedade, paranoia e saúde mental de maneira geral.

O fenômeno relativamente moderno das redes sociais e suas tecnologias associadas adicionam uma nova dimensão para a solidão e ansiedade.

Isso acontece porque redes sociais oferecem aos jovens uma maneira de quantificar diretamente as amizades, mostrando as redes de amizades de outros amigos para fins de comparação e fornecendo informações instantâneas sobre eventos sociais.

Você consegue comparar sua própria popularidade com a popularidade dos seus colegas e gerenciar aquele “medo de ficar de fora” dos adolescentes monitorando constantemente o que está acontecendo socialmente.

Portanto é fácil ver como o uso da tecnologia pode tomar o lugar de interações sociais mais tradicionais e fornecer informações sobre a popularidade da pessoa.… ou mais significativamente, os sentimentos de solidão e alienação da pessoa.

Existe uma ampla fonte de evidências de que a solidão, ansiedade social e isolamento social pode causar uso excessivo de aplicativos de redes sociais nos jovens.

Por exemplo, um estudo feito em estudantes universitários no Reino Unido descobriu que interação social na vida real foi negativamente associada ao uso excessivo de Twitter, e a solidão foi um fator significante que mediou esse relacionamento.

Portanto fica claro que muitas pessoas usam aplicativos de redes sociais em geral para se livrarem dos sentimentos de solidão.

A ansiedade social e a necessidade de aprovação social também estão associadas ao uso problemático de Facebook até um ponto onde o Facebook se transforma em um vício.

Já foi mostrado que o vício por rede social pode ativar as mesmas áreas cerebrais que drogas viciantes como a cocaína!

Esse vício impõem uma ameaça ao bem-estar físico e psicológico e interfere no desempenho na escola ou trabalho.

Ficar sem usar o Facebook é visto pelos usuários como um ato de “sacrifício” ou “desintoxicação”.

Portanto o ciclo vicioso é que a solidão e ansiedade social geram o uso de aplicativos de redes sociais, mas o uso viciante das redes sociais provoca mais formas de ansiedade e estresse.

Leia também: Causas Da Ansiedade Na Adolescência

Por exemplo, um estudo com 1839 estudantes de faculdade feito pela universidade Lock Haven nos Estados Unidos descobriu que o tempo gasto no Facebook estava fortemente relacionado às baixas notas dos alunos, porém a relação negativa com o desempenho na faculdade foi apenas no tempo gasto socializando no Facebook.

Usando o Facebook para coletar e compartilhar informações foi um indicador positivo de boas notas… sugerindo que, assim como a maioria das outras tecnologias, o uso do Facebook pode ter impactos tanto negativos quanto positivos.

Esse estudo não resultou em nenhuma perspectiva de direção clara aqui: baixas notas causaram mais tempo no Facebook ou o tempo gasto no Facebook causou notas baixas?

Porém, se o uso do Facebook é um vício genuíno, onde o usuário não consegue controlar facilmente, não precisa se forçar muito para enxergar que o uso do Facebook pode ser prejudicial ao desempenho acadêmico quando este uso se torna incontrolável.

Em segundo lugar, um estudo feito em estudantes de faculdade feito pela Universidade do Colorado descobriu que quase todos os participantes do estudo passaram por alguma forma de estresse provocado pelo Facebook e que esse estresse estava diretamente associado com problemas de saúde físicos, como infecções respiratórias.

No entanto, o que foi interessante notar é que esse estresse não era resultado do tamanho pequeno da rede social do participante.

O estresse era na verdade resultado de uma rede de amigos muito grande.

Quanto maior era a rede de amigos no Facebook, maior era o estresse, portanto uma rede muito grande de amigos em sites e aplicativos de redes sociais também podem ser uma fonte de estresse nos jovens de hoje.

O estresse e ansiedade causados por uma grande rede social cibernética de amigos tem sido bem ilustrado em um estudo de Harvard.

Eles descobriram que, depois de pesquisar outros fatores relevantes como o sexo, idade, tempo acordado, estresse percebido e apoio social percebido, quanto maior for a rede de amigos no Facebook, maior será a produção diurna do hormônio do estresse cortisol.

Níveis mais altos de cortisol estão associados ao estresse crônico e preocupação, esgotamento e é um fator de vulnerabilidade para a depressão.

Os autores desse estudo especularam que o número de amigos no Facebook que você tem pode ser positivo até um certo ponto e oferecer aprovação social e apoio social, mas depois que esse nível ideal é ultrapassado, o apoio social pode virar pressão social e levar a um aumento de estresse e níveis mais altos de cortisol.

Nós já vimos que o uso das redes sociais podem afetar a saúde física e desempenho na escola ou trabalho, mas assim como qualquer outra forma de vício, o medo de não conseguir usar ou acessar sites e aplicativos de redes sociais provocam um estresse a mais, nesse caso causado pelo sentimento de exclusão social, resultado da incapacidade de acessar esses sites.

Isso é um sinal claro de vício.

Para a maioria de nós, nossas redes sociais é frequentemente a primeira coisa que nós verificamos pela manhã e a última coisa que nós verificamos antes de dormir.

Redes sociais como o Facebook, Instagram e Twitter fornecem atualizações infinitas que podem transformar o mero interesse em redes sociais numa compulsão estressante e prejudicial para a saúde que, além de afetar os níveis de estresse, também levam a sentimentos de inadequação e baixa autoestima.

Nossa cultura moderna pode ser tanto poderosa quanto perigosa.

Veja também: Teste: Qual é o Seu Nível de Ansiedade?

Jovens e adolescentes podem falar amplamente sobre seus vícios em redes sociais, mas será que eles falam sobre a ansiedade que as redes sociais geram?

Um estudo sobre isolamento social descobriu que, entre 1984 e 2005, o número de confidentes que uma pessoa tinha diminuiu de 2,94 para 2,08… uma queda significante no que nós chamaríamos de “amigos de verdade”.

Isso é importante porque como o sociólogo Eric Klinenberg apontou, é a qualidade das suas interações sociais, e não a quantidade, que define a solidão.

Isso é algo que pessoas mais velhas entendem e tem plena consciência, e a vida parece ter ensinado a eles que poucos amigos de qualidade são mais importantes do que a quantidade de contatos na sua rede de amigos.

Mesmo apesar da conectividade ter significativamente caído nos últimos 50 anos, nós ainda temos a necessidade evolutiva de estarmos conectados com outros seres humanos.

Formar conexões com animais, amigos online ou até mesmo com Deus, é uma tentativa nobre (de uma criatura que vive obrigatoriamente em bandos) de satisfazer uma necessidade.

Essa necessidade contínua diante do assustador isolamento social coincidiu com a internet nos fornecendo um “exército de confidentes substitutos”, onde não existe nenhum confidente na forma original do termo.

Nesse sentido, redes sociais como Facebook tem se tornado ferramentas substitutas para procurar conectividade, e como consequência nossos contatos ficam mais amplos, porém mais rasos, superficiais.

Nosso uso de redes sociais na busca pela conectividade pode simplesmente nos deixar mais desconectados e solitários.

Por exemplo, a sensação de estar desconectado das pessoas está associada com as interações passivas no Facebook, tais como usar a rede apenas para atualizar suas próprias atividades ou meramente scanear as atividades dos amigos.

Se você entra no Facebook todos os dias, assim como mais da metade de todos os usuários de Facebook no mundo, e você usa dessa forma passiva, você está meramente reforçando seus sentimentos de desconexão.

As conclusões dessas descobertas sobre o uso de sites e aplicativos de redes sociais é que a solidão e ansiedade social de fato parecem facilitar o uso desses sites… até o ponto de virar um vício, onde existe um desejo nada saudável de passar horas todos os dias verificando as atualizações em todas as plataformas.

Porém, mesmo com uma quantidade de amigos normal em sites como Facebook e Twitter, existe estresse e sentimentos de desconexão, existe o estresse que causa problemas de saúde físicos e afetam negativamente o desempenho acadêmico de jovens e adolescentes.

É seguro afirmar que o uso de redes sociais por jovens e adolescentes não é apenas uma consequência das ansiedades sociais deles, mas causa mais ansiedade e estresse em um mundo com epidemia de ansiedade.