Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

18 Causas Importantes da Falta de Ar

Falta de ar, também conhecida como dispneia, é um sintoma que descreve uma sensação de desconforto respiratório ou dificuldade em respirar. Muitas vezes é expressado como sentir falta de ar ou sofrer de falta de ar.

Estima-se que até 7-8 por cento dos pacientes que se apresentam nos prontos-socorros queixam-se de dispneia. Em metade destes casos, é a principal razão para a visita ao pronto-socorro.

A American Thoracic Society (ATS) define a dispneia como “um termo usado para caracterizar uma experiência subjetiva de desconforto respiratório que é composta de sensações qualitativamente distintas que variam em intensidade. A experiência deriva de interações entre múltiplos fatores fisiológicos, psicológicos, sociais e ambientais, podendo induzir respostas fisiológicas e comportamentais secundárias”.

Embora essa definição ampla e complexa seja de pouca utilidade em casos individuais, reflete a complexidade da questão e a multiplicidade de fatores que podem estar envolvidos quando um paciente se queixa de dispneia. Esses fatores podem variar de respostas fisiológicas normais a um distúrbio cardíaco ou pulmonar subjacente ou podem refletir um distúrbio psicológico como a ansiedade. Além disso, a dispneia é frequentemente influenciada por fatores ambientais, como qualidade do ar, temperatura e altitude.

Ao contrário de muitos outros sintomas médicos, a falta de ar é um fenômeno totalmente normal em situações particulares, como durante exercícios pesados. Portanto, pode ser um desafio para o indivíduo e para o médico determinar se a dispneia é causada por uma doença subjacente ou se reflete apenas uma resposta saudável ao esforço físico. Obviamente, uma pessoa inativa é mais propensa a sentir falta de ar do que alguém que está em boa forma física.

Normalmente, não temos consciência do ato de respirar em repouso e, embora possamos nos tornar conscientes da respiração durante o exercício leve a moderado, não há desconforto. Entretanto, durante o exercício extenuante, podemos nos tornar desagradavelmente conscientes de nossa respiração, mas nos sentiremos razoavelmente seguros de que a sensação será transitória e apropriada ao nível de exercício.

As palavras usadas por pacientes descrevendo dispneia podem fornecer informações sobre a causa subjacente. Exemplos de expressões verbais usadas são: “não consegue ar suficiente”, “ar não desce até o fim”, “sensação de sufocação no peito”, “aperto no peito”, “fadiga no peito” e “sensação de sufocamento”.

A subjetividade da dispneia é um dos principais desafios do clínico cuja tarefa é determinar o diagnóstico e avaliar a gravidade da condição subjacente.

As causas da dispneia podem se enquadrar em três grandes categorias; dispneia do sistema respiratório, dispneia do sistema cardiovascular e dispneia por outras causas.

Diferentes tipos de dispneia

A dispneia é considerada aguda quando se desenvolve repentinamente (de horas a dias) e crônica quando está presente durante períodos mais longos (semanas ou meses).

Na maioria das vezes, os pacientes queixam-se de dispneia aos esforços físicos. A dispneia súbita e inesperada em repouso pode indicar um distúrbio médico subjacente grave ou pode ser devido à ansiedade.

Veja também: O Que Fazer Na Falta De Ar Por Causa Da Ansiedade

A dispneia intermitente associada a ar frio ou pelos de animais pode sugerir asma. A dispneia relacionada ao trabalho pode indicar asma ocupacional. A dispneia após infecções do trato respiratório superior pode indicar asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Dispneia quando deitado, geralmente na posição supina é chamado ortopedia. O paciente pode usar vários travesseiros ou optar por dormir na posição sentada para se sentir melhor. A situação é típica de insuficiência cardíaca.

Episódios noturnos de dispneia (dispneia paroxística noturna) também podem ser um sinal de insuficiência cardíaca. O paciente experimenta ataques súbitos de falta de ar, que ocorrem mais frequentemente à noite, e o desperta do sono.

Trepopnea descreve uma situação incomum em que o paciente experimenta falta de ar enquanto estava deitado no lado esquerdo ou direito. A platipneia é uma dispneia que ocorre apenas na posição ereta.

Sistema Respiratório Dispneia

1. asma

A asma é o motivo mais comum para se apresentar ao pronto-socorro com falta de ar. É uma doença que afeta cerca de 5% da população.

A asma é uma condição na qual as vias aéreas estreitam e incham e produzem muco extra. Isso pode causar falta de ar, chiado, aperto no peito e uma tosse não produtiva.

Alguns pacientes com asma têm ataques infrequentes ou apresentam sintomas durante certas condições, como no exercício, enquanto outros apresentam sintomas mais frequentes ou crônicos.

Asma induzida por alergia é desencadeada por substâncias transportadas pelo ar, como pólen, esporos, ácaros e pelos de animais. Outros sintomas alérgicos, como olhos lacrimejantes e coriza são comuns.

A asma induzida por exercício é tipicamente provocada pelo exercício e muitas vezes piora quando o ar está frio e seco.

Asma ocupacional geralmente é desencadeada por irritantes no local de trabalho, como fumaça química ou poeira.

2. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC)

A doença pulmonar obstrutiva crônica, ou COPD, refere-se a um grupo de doenças que causam bloqueio do fluxo de ar levando a falta de ar, tosse, produção de muco (expectoração) e sibilância. Inclui enfisema, bronquite crónica e, em alguns casos, asma.

A fumaça do tabaco é a principal causa do desenvolvimento e progressão da DPOC no Brasil. Fatores genéticos, exposição a poluentes do ar e infecções respiratórias também desempenham um papel.

A DPOC foi a terceira principal causa de morte no Brasil em 2014.

Enfisema e bronquite crônica são as duas condições mais comuns que contribuem para a DPOC.

Bronquite crônica é a inflamação do revestimento dos brônquios levando a falta de ar, tosse diária e produção de muco.

Enfisema é uma condição na qual os alvéolos (sacos aéreos) no final das menores passagens de ar dos pulmões são destruídos. Assim, a troca de oxigênio e dióxido de carbono entre o sangue e os pulmões fica prejudicada. Quando o ar fica preso nos alvéolos, os pulmões ficam hiperinflados.

A fumaça do tabaco é a principal causa do desenvolvimento e progressão da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

3. Doença Pulmonar Intersticial (DPI)

O termo doença pulmonar intersticial (DPI) refere-se a uma ampla categoria de doenças pulmonares, e não a uma entidade distinta da doença. Inclui uma variedade de doenças com diferentes causas subjacentes. Esses distúrbios são agrupados por causa de semelhanças em suas apresentações clínicas, aparência radiográfica e características fisiológicas.

As anormalidades que caracterizam a DPI envolvem o interstício pulmonar (a área entre os capilares e o espaço alveolar) em maior extensão que os espaços alveolares ou vias aéreas. O interstício suporta a delicada relação entre os alvéolos e os capilares, permitindo uma troca gasosa eficiente.

Os pulmões podem ser inicialmente lesados ​​por exposição externa (por exemplo, amianto, drogas, feno mofado), uma doença autoimune subjacente (por exemplo, artrite reumatoide) ou algum agente desconhecido (fibrose pulmonar idiopática).

A resposta inflamatória resultante desencadeia um processo de reparo nos pulmões. Se a exposição persistir ou se o processo de reparação estiver incompleto, os pulmões podem ficar permanentemente danificados. O aumento do tecido intersticial geralmente substitui os capilares normais, alvéolos e o interstício normal.

A função pulmonar pode se tornar severamente reduzida na DPI. A troca gasosa é prejudicada e o trabalho respiratório aumenta devido à diminuição da complacência pulmonar.

Falta de ar e tosse não produtiva são as razões mais comuns pelas quais os pacientes procuram atendimento médico.

Exemplos de DIPs são pneumonite por hipersensibilidade, sarcoidose, fibrose pulmonar idiopática e pneumonia em organização criptogênica (COP), que é a nomenclatura revisada para pneumonia em organização de bronquiolite obliterante (BOOP).

A terapia depende da doença subjacente e pode consistir em drogas imunossupressoras e evitar exposições indutoras de doenças.

4. Embolia Pulmonar

Embolia pulmonar é um bloqueio em uma ou ambas as artérias pulmonares dentro dos pulmões. É causada por coágulos sanguíneos que viajam das extremidades inferiores, através das câmaras cardíacas direitas e se alojam nos pulmões.

Na maioria dos casos, um coágulo sanguíneo nas veias profundas da perna, chamado trombose venosa profunda (TVP), é a causa subjacente da embolia pulmonar. O inchaço doloroso de uma perna, tornozelo ou pés deve levantar a suspeita de TVP.

Existem vários fatores de risco para TVP. Entre eles estão os distúrbios hereditários da coagulação do sangue, repouso prolongado no leito, lesão ou cirurgia, gravidez, pílulas anticoncepcionais, tabagismo e algumas formas de câncer.

Sentado por longos períodos de tempo, como durante voos longos também pode aumentar o risco de TVP, porque os músculos das pernas não estão se contraindo. Os músculos das pernas desempenham um papel importante no bombeamento do sangue através das veias. A medida preventiva mais eficaz é contrair os músculos da perna, seja sentado ou caminhando quando possível.

Os sintomas mais comuns de embolia pulmonar incluem falta de ar, tosse e, às vezes, dor torácica que piora ao respirar (dor pleurítica). Sinais de TVP em uma ou ambas as pernas podem ser encontrados.

5. Pneumotórax

Um pneumotórax ocorre quando o ar se acumula no saco pleural, entre o exterior do pulmão e o interior da parede torácica. O ar pode sair do pulmão ou de fora do corpo se houver uma lesão no peito. Um grande pneumotórax pode comprimir o pulmão causando colapso.

Embora o pneumotórax causado por vazamentos de ar dos pulmões seja mais comum em pessoas com problemas pulmonares, pode ocorrer em indivíduos completamente saudáveis ​​(pneumotórax espontâneo).

Pneumotórax espontâneo é muito mais comum em homens do que mulheres. Frequentemente ocorre em pessoas entre 20 e 40 anos de idade, geralmente em indivíduos altos e é comumente associado a baixo peso.

Pacientes com pneumotórax espontâneo apresentam um início súbito de dor torácica que piora pela respiração (dor pleurítica). A dor é frequentemente associada à falta de ar. Uma radiografia de tórax de rotina geralmente confirma o diagnóstico.

6. Hipertensão Pulmonar

A hipertensão pulmonar é uma doença causada por pressão elevada (hipertensão) nas artérias pulmonares.

A hipertensão pulmonar é uma condição rara que pode afetar pessoas de todas as idades. No entanto, é mais comum em pessoas que têm uma condição cardíaca ou pulmonar subjacente.

As paredes das artérias pulmonares podem tornar-se espessas e rígidas, e não podem se expandir também para permitir a passagem do sangue. O fluxo sanguíneo reduzido dificulta que o lado direito do coração bombeie o sangue pelas artérias. Subsequentemente, pode ocorrer insuficiência cardíaca direita.

Os principais sintomas da hipertensão pulmonar são falta de ar, cansaço, tontura, palpitações e edema de perna.

A hipertensão arterial pulmonar idiopática (HAPI) é uma doença rara, caracterizada por pressão arterial pulmonar elevada, sem causa aparente. A HAPI também é denominada hipertensão pulmonar pré-capilar e foi anteriormente denominada hipertensão pulmonar primária. HAPI não tratada pode levar à insuficiência cardíaca do lado direito.

7. Pneumonia

Pacientes com pneumonia geralmente sentem falta de ar. Em pacientes com mais de 65 anos, é o sintoma primário na maioria dos casos.

Pacientes com pneumonia também costumam ter febre e tosse produtiva. Alguns podem sentir dor no peito que piora com a inspiração (dor pleurítica).

8. Câncer de pulmão

Muitos pacientes com câncer de pulmão apresentam falta de ar. Pode ser devido ao próprio tumor ou a outra doença pulmonar ou cardíaca subjacente.

Outros sintomas associados ao câncer de pulmão são tosse, dor no peito e tosse com sangue (hemoptise).

9. Edema Pulmonar Não Cardiogênico / Síndrome do Desconforto Respiratório Adulto (SDRA)

SDRA pode complicar uma ampla gama de condições, como sepse, choque, trauma e inalações tóxicas. É caracterizada por dispneia rapidamente progressiva, hipóxia e infiltrados bilaterais na radiografia de tórax.

O edema pulmonar de altitude elevada (EPAP) é uma forma de edema pulmonar não cardiogênico que ocorre tipicamente em pessoas que ascenderam rapidamente a elevações superiores a 2500 metros (8000 pés).

Os principais sintomas são tosse não produtiva, falta de ar aos esforços e fadiga, geralmente ocorrendo de dois a quatro dias depois de subir para uma grande altitude. Pode progredir rapidamente para dispneia em repouso.

O edema pulmonar de altitude elevada (EPAP) é uma forma de edema pulmonar não cardiogênico que ocorre tipicamente em pessoas que ascenderam rapidamente a elevações superiores a 2500 metros (8000 pés)

Sistema Cardiovascular Dispneia

10. Síndrome Coronariana Aguda (SCA)

O termo síndrome coronariana aguda abrange uma série de condições associadas a uma redução súbita no fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco. Inclui condições como infarto do miocárdio com supradesnivelamento do segmento ST. O mecanismo subjacente geralmente envolve a ruptura de uma placa aterosclerótica em uma artéria coronária com coagulação sanguínea sobreposta (trombose), bloqueando o suprimento de sangue.

A SCA e o infarto agudo do miocárdio são um e o mesmo e devem sempre ser tratados como uma emergência.

Pacientes com SCA tipicamente apresentam pressão, plenitude ou aperto no peito. Às vezes, há dor lancinante que pode irradiar para as costas, pescoço, mandíbula, ombros e braços, particularmente o braço esquerdo.

Muitos pacientes se queixam de falta de ar e, em alguns casos, a dispneia é a única queixa.

11. Angina Pectoris

O termo angina pectoris ou angina é usado para descrever desconforto ou dor torácica, muitas vezes sentido como uma pressão ou uma sensação de aperto no peito. A dor pode irradiar para os ombros, braços, pescoço, mandíbula ou região das costas entre as omoplatas. Muitas vezes, o paciente também sente falta de ar e às vezes é o único sintoma.

Muitas vezes, o paciente também sente falta de ar e às vezes é o único sintoma. Nestes casos, a dispneia é definida como um equivalente anginal.

Angina pectoris não é uma doença. É um sintoma, geralmente causado por fluxo sanguíneo inadequado em uma artéria coronária, resultando em suprimento insuficiente de sangue rico em oxigênio para uma área do músculo cardíaco. Assim, na maioria dos casos, a angina reflete doença coronariana subjacente.

Normalmente, um paciente com angina não apresenta sintomas em repouso. No entanto, durante o exercício, as demandas de oxigênio do músculo cardíaco aumentam. Se o suprimento de sangue em uma artéria coronária for limitado, geralmente por causa de uma placa aterosclerótica, a angina ocorrerá. Se o paciente parar de se exercitar, o suprimento de oxigênio atenderá novamente às demandas e a angina será resolvida.

12. Insuficiência Cardíaca

A insuficiência cardíaca ocorre quando o músculo cardíaco está enfraquecido e não consegue bombear sangue suficiente para suprir as necessidades de sangue e oxigênio do corpo. Em alguns casos, a capacidade de bombeamento do músculo cardíaco é preservada, mas o ventrículo esquerdo é rígido, com diminuição da complacência e relaxamento prejudicado, o que leva ao aumento da pressão de enchimento no ventrículo esquerdo.

A insuficiência cardíaca é causada por uma doença cardíaca subjacente que causou danos no músculo cardíaco e / ou um aumento da rigidez do ventrículo esquerdo. Doença coronariana, hipertensão, distúrbios valvares e cardiomiopatia dilatada são as causas mais comuns de insuficiência cardíaca.

A insuficiência cardíaca frequentemente se manifesta com falta de ar ao esforço, ortopneia e dispneia paroxística noturna.

A insuficiência cardíaca afeta entre 1 e 2% da população geral e ocorre em 10% das pessoas com mais de 65 anos de idade.

A insuficiência cardíaca crônica é uma causa comum de dispneia durante as atividades diárias.

Insuficiência cardíaca aguda ou agravamento agudo de insuficiência cardíaca crónica podem causar acumulação de fluido nos pulmões (edema pulmonar). O edema pulmonar é uma causa comum de dispneia no departamento de emergência.

Pacientes com insuficiência cardíaca crônica geralmente têm fadiga, tolerância diminuída ao exercício e retenção de líquidos.

13. Doença Cardíaca Valvular

A doença cardíaca valvular pode causar falta de ar. Essa dispneia é particularmente comum entre os idosos.

As valvopatias mais comuns que causam dispneia são a estenose da valva aórtica e a insuficiência mitral.

Os sintomas típicos da estenose da valva aórtica incluem desempenho físico diminuído, episódios de colapso, síncope e tontura e, às vezes, dor torácica semelhante à angina de peito.

A ausculta geralmente aponta para o diagnóstico porque um sopro cardíaco sistólico rugoso pode ser ouvido sobre a válvula aórtica.

A ecocardiografia é o estudo diagnóstico definitivo.

14. Arritmia Cardíaca

Ritmo cardíaco irregular ou anormal pode causar dispneia. Exemplos são fibrilação atrial, taquicardia ventricular e bloqueio cardíaco de segundo e terceiro grau.

Estas arritmias podem frequentemente estar associadas a doenças cardiovasculares subjacentes, tais como doença arterial coronária, cardiomiopatia ou insuficiência cardíaca.

Dispneia devido a outras causas

15. Anemia

A anemia que se desenvolve gradualmente apresenta frequentemente dispneia aos esforços, fadiga, fraqueza e palpitações.

16. Obesidade

A obesidade pode interferir com a expansão normal dos pulmões causando dispneia e hipóxia. Isto aplica-se em particular se houver perímetro abdominal massivo.

Com base nos dados da Terceira Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição, os participantes obesos tiveram uma probabilidade 2,66 vezes maior de apresentar dispneia ao subir uma colina em comparação com participantes não obesos pareados.

17. Hiperventilação e ansiedade

Pacientes com ansiedade e hiperventilação geralmente experimentam falta de ar e dificuldades respiratórias.

A hiperventilação da ansiedade é um diagnóstico de exclusão no departamento de emergência após causas orgânicas de dispneia terem sido excluídas.

Veja também: 10 Formas De Parar A Ansiedade Rapidamente

18. Descondicionamento

O condicionamento cardiovascular é determinado pela capacidade do coração de aumentar o débito cardíaco máximo e pela capacidade dos músculos periféricos de utilizar eficientemente a energia para o metabolismo aeróbico.

Indivíduos mais aptos experimentam menos dispneia para qualquer carga de trabalho do que pessoas sedentárias.

O descondicionamento é definido como as múltiplas mudanças potencialmente reversíveis nos sistemas corporais provocadas pela inatividade física e pelo desuso. Tais mudanças geralmente têm consequências funcionais e clínicas significativas.

O descondicionamento comumente ocorre em duas situações: (1) um estilo de vida sedentário, que é comum em pessoas idosas, mesmo na ausência de doença ou incapacidade significativa, e pode resultar em um declínio lento e crônico da aptidão física; e (2) repouso na cama ou cadeira durante uma doença aguda, que pode levar a um declínio físico desastrosamente rápido.

Devido ao descondicionamento, pessoas sedentárias podem sentir falta de ar com tarefas aparentemente triviais.

Em um estudo com adolescentes obesos com ou sem diagnóstico de asma, a falta de ar foi devida principalmente ao descondicionamento cardiopulmonar.

Como determinar a causa da dispneia

Histórico e Exame Físico

O histórico é de particular importância ao determinar a causa da dispneia. O início, duração, periodicidade e gravidade dos sintomas são fatores importantes.

O exame físico também pode fornecer pistas importantes. Taquicardia (pulso rápido) pode acompanhar anemia, insuficiência cardíaca e embolia pulmonar. A distensão das veias jugulares e o edema periférico podem ser consistentes com insuficiência cardíaca. Sopros cardíacos podem sugerir distúrbios valvares subjacentes. Sussuras respiratórias diminuídas e chiado podem indicar DPOC.

Estudos Diagnósticos

O exame inicial deve incluir oximetria de pulso, hemograma completo, painel metabólico básico, radiografia de tórax, eletrocardiograma (ECG) e, comumente, espirometria.

Uma radiografia de tórax é importante na avaliação de pacientes com dispneia. Pode mostrar sinais de insuficiência cardíaca, pneumonia, doença pulmonar intersticial ou tumor pulmonar.

No entanto, uma radiografia de tórax negativa não descarta doença pulmonar. Por exemplo, pacientes com asma e embolia pulmonar podem ter achados radiográficos normais.

Um ECG pode revelar arritmias, como fibrilação atrial. Pode mostrar sinais de doença arterial coronariana e infarto do miocárdio anterior pode ser descoberto.

A espirometria é útil para detectar a obstrução do fluxo de ar. Por isso, pode ajudar a diagnosticar asma, DPOC e doença pulmonar intersticial.

O peptídeo natriurético cerebral é um neuro-hormônio cardíaco secretado pelo miocárdio. O peptídeo natriurético cerebral e o seu pró-hormônio N-terminal pró-BNP podem ser medidos no sangue.

Em pacientes com dispnéia, as concentrações plasmáticas de pró-peptídeo natriurético cerebral no N-terminal estão aumentadas na disfunção ventricular esquerda e insuficiência cardíaca, mas não na doença pulmonar. Portanto, os níveis de peptídeo natriurético cerebral e N-terminal pró-peptídeo natriurético cerebral podem ser usados ​​para distinguir entre causas respiratórias e cardiovasculares de dispneia.

O D-dimero é um marcador da degradação da fibrina no sangue. Os níveis plasmáticos de d-dímero estão diretamente relacionados à gravidade dos êmbolos pulmonares. Um teste negativo pode contribuir para excluir embolia pulmonar em pacientes com baixa probabilidade pré-teste.

Vários estudos mais avançados, como ecocardiografia, tomografia computadorizada (TC), varredura de ventilação-perfusão e testes de estresse, podem fornecer informações adicionais.

Conclusão

Falta de ar (dispneia) é um sintoma comum associado a várias doenças, algumas das quais são de natureza grave.

Muitos casos de dispneia estão associados a doenças do coração e pulmões. Anemia, transtornos de ansiedade, descondicionamento físico e obesidade também podem causar dispneia.

Asma, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), doença pulmonar intersticial (DPI), hipertensão pulmonar, doença cardíaca coronária, distúrbios valvares e insuficiência cardíaca são exemplos de doenças que podem causar dispneia crônica.

A dispneia aguda pode ser decorrente de um ataque agudo de asma, piora aguda da DPOC ou insuficiência cardíaca, pneumotórax, embolia pulmonar, síndrome coronariana aguda e arritmias, como a fibrilação atrial. Assim, a dispneia aguda deve ser tratada como uma emergência médica.

0 comentários… add one

Leave a Comment