Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

Quão Vulnerável Você Deve Se Deixar Ser?

Estar Disposto A Se Deixar Vulnerável Exige Muita Coragem. Aqui Está O Porquê.

“Quem não arrisca não petisca”

No momento em que uma situação faz você se sentir vulnerável, sua reação instintiva é fazer todo o possível para escapar dela.

Afinal, o impulso de afastar – às vezes, a todo custo – o que ameaça sua sensação de segurança é natural.

É um aspecto inerente aos nossos instintos de sobrevivência.

A questão, no entanto, é quais podem ser as conseqüências finais de não se confrontar com o que você pode considerar apenas perigoso.

Se a prevenção é a sua resposta sempre que algo começa a fazer você se sentir desconfortável, é improvável que você chegue perto de atingir seu potencial na vida.

Então a pergunta que eu faço pra você é: a sua evasão pessoal de vulnerabilidade é tão avançada que você ganha um Ph.D. nisso?

E se sim, como você pode transcender esse hábito possivelmente ao longo da vida?

O que, dentro de você, você precisaria cultivar para superar com sucesso sua tendência poderosa de reagir aos outros e ao mundo de maneira auto protetora?

Muitos de nós concordam que a qualidade essencial aqui é coragem.

Pois essa é precisamente a característica que nos permite enfrentar circunstâncias que parecem precárias.

E paradoxalmente, esse comportamento não pode ser visto como corajoso, a menos que sua primeira reação a uma situação desconfortável seja a ansiedade.

Pois o que define coragem é a capacidade de permitir que você não recue por causa de qualquer flash imediato de medo.

Veja também: Como Realizar a Terapia de Exposição para Ansiedade em Casa

A coragem é categoricamente considerada uma força, porque é o que o motiva, apesar dos tais sentimentos de apreensão, a agir com prudência, de maneiras que realmente representam seus melhores interesses (e espero que os dos outros também).

Ou, nos casos em que evitar agir é o que parece inicialmente o maior risco, para determinar não agir.

Pois há momentos em que se recusar a agir não tem nada a ver com “dar para trás” – exatamente o oposto.

Além disso, é essencial compreender que a coragem não deve ser confundida com a idiotice, geralmente considerada como impulsiva, sem levar em conta as possíveis conseqüências adversas do seu comportamento.

Muitas vezes, essa ousadia parece coragem.

Mas qualquer ação mal considerada é entendida com muito mais precisão como imprudente.

Então, quais são os perigos de enfrentar um maior senso de vulnerabilidade – vs. ter esses sentimentos problemáticos obrigando você a se afastar do que parece muito intimidador?

E o que você deve fazer para enfrentar alguma coisa, uma vez que evoca em você esse desconfiado senso de trepidação?

Nossa ansiedade por nos deixarmos vulneráveis ​​poderia:

Associar a compartilhar a nós mesmos de uma maneira que nos expõe à indiferença, desaprovação ou raiva do outro.

Quando confiamos nossos pensamentos e sentimentos em outro, também podemos temer que nosso compartilhamento não seja correspondido.

Ou que poderia ser usado contra nós, ou para que não seja empático ou validado.

E nosso profundo senso de vulnerabilidade surge quando nos encontramos em situações que exploram medos primordiais de abandono ou evocam seu oposto, envolvimento – onde nossos limites pessoais parecem tão ameaçados que tememos perder a própria identidade.

Mas, como já sugeri, o que precisa ser examinado é se uma necessidade de se proteger – e possivelmente em uma ampla gama de circunstâncias – realmente o beneficia.

E a menos que você viva em algum tipo de zona de guerra, isso é questionável.

Então, pergunte-se:

  • A minha relutância temerosa em enfrentar circunstâncias difíceis enraizadas em noções antigas e nunca atualizadas é sobre pessoas ou situações que antes evocavam sentimentos de ansiedade aos quais ainda estou vulnerável?
  • Ao contrário do passado, onde me sentia obrigado a recuar por causa dos sentimentos de vulnerabilidade, poderia eu ter desenvolvido as qualidades que me faltavam anteriormente para superar esses sentimentos?
  • Posso agora ter recursos como uma melhor compreensão intelectual de diferentes situações, maiores capacidades assertivas, maior auto-estima ou resiliência?

(E pode-se acrescentar que o hábito arraigado de autoproteção está intimamente ligado a deficiências de auto-estima – das quais, de fato, são parte integrante).

Em resumo, você pode ser objetivo o suficiente para decidir se essa ou aquela situação atual realmente justifica sua suspeita ou hesitação ansiosa?

Se experiências prejudiciais passadas o levaram a reagir exageradamente a eventos (aparentemente) análogos no presente, pode ser crucial realizar uma verificação da realidade.

Pois só então você vai conseguir determinar se a ansiedade que está sentindo hoje faz algum sentido lógico.

Ou seja, uma infeliz remanescência de coisas que já aconteceram com você ou sobre as quais você foi alertado – possivelmente de sua família quando você ainda era criança.

Ou se sua ansiedade emana de circunstâncias adversas com seus colegas ou de sua escola, religião etc.

Obviamente, se você foi enganado ou aproveitado antes, provavelmente cultivou um certo cinismo.

E isso é apenas razoável – e no geral, provavelmente prudente também.

O problema é que as experiências passadas foram suficientemente perturbadoras para levar você a generalizar demais a desconfiança ou o medo dos outros.

Veja também: Tipos De Auto Conversa Positiva Durante Ataques De Ansiedade

Portanto, se como resultado, você administrou sua vida com uma cautela que o impedia de viver a vida plenamente, como você pode estar agora disposto a trabalhar para diminuir esses sentimentos cronicamente desconfortáveis?

Mais uma vez, sugiro que sempre que você reagir fortemente a alguma ameaça percebida, explore se suas inferências sobre ela podem ser exageradas ou distorcidas.

E se, como suas emoções são muito agitadas, você não pode confiar em si mesmo para ser objetivo, pode perguntar a um amigo de confiança – ou terapeuta – como eles avaliam essa pessoa ou situação?

As probabilidades são de que, se você está exagerando, ainda não resolveu emocionalmente uma experiência assustadora, prejudicial ou antagônica que lhe aconteceu anteriormente.

Mas até que você seja corajoso o suficiente para revisitar essa época, local ou pessoa – por mais desconfortável e dolorosa que seja essa revisão -, você permanecerá irremediavelmente acorrentado a ela.

E enquanto você permanecer sensibilizado negativamente, qualquer coisa que se assemelhe a isso hoje impedirá que você aproveite as oportunidades que, de outra forma, estão prontas para se oferecer a você.

É uma coisa se sentir vulnerável e outra bem diferente é deixar-se SER vulnerável.

Pois o último sugere tanto o reconhecimento quanto a aceitação do fato de que, de uma maneira ou de outra, somos todos vulneráveis.

E muito mais importante – e paradoxalmente – implica que, através do próprio ato de estar com sua vulnerabilidade (vs. se esforçando ansiosamente para escapar dela), você pode transcendê-la, avançando de qualquer maneira com seus objetivos, planos e desejos.

Nesse sentido, recuar por causa de sua vulnerabilidade deve ser visto como uma fraqueza, resistindo corajosamente a ela.

Portanto, sempre que, inicialmente, você experimenta ansiedade aumentada, será que você consegue rastrear sua súbita inquietação até a(s) fonte(s) onde você provavelmente levou as coisas mais para o lado pessoal do que o normal?

Pois se você pode alterar o significado que anteriormente atribuía à sua experiência, sua vida pode finalmente ser “libertada” do passado.

Agora você pode sentir um controle – e autocontrole – que o iludiu anteriormente.

Com uma reavaliação tão completa e mais adulta de sua história, você poderá moderar sensações de vulnerabilidade possivelmente exageradas.

E isso abrirá opções de tomada de decisão que realmente não estavam disponíveis para você antes.

As escolhas que nunca pareceram defensáveis ​​até agora não serão mais “banidas” pelo que aconteceu com você anteriormente.

O elaborado conjunto de defesas que você gerou naquela época para ajudá-lo a governar melhor seus medos e incertezas não interferirá mais na vida de uma pessoa da maneira mais completa, rica e possível.

Ou, como disse de maneira um pouco diferente em uma das minhas postagens anteriores sobre vulnerabilidade: Uma vez que a vulnerabilidade é ‘regulada’ por uma auto aceitação permanente, o senso de poder pessoal é quase inatacável. Não pode mais ser ameaçado por alguma força externa fora do seu controle.

Além disso, não há nada lá dentro que o assombre que o impeça de viver corajosamente – de “seguir em frente”, de abordar várias coisas que no passado você se sentiu inclinado a evitar.

E estas são as coisas que oferecem desafios emocionantes e oportunidades criativas, que por sua vez podem aumentar bastante o seu senso de vitalidade pessoal.

(E não é isso que torna a vida mais gratificante?)

Como mortais, nossa vulnerabilidade é inevitável.

É simplesmente parte da estrutura inalterável da existência humana.

Ainda assim, se nosso principal desejo na vida é manter-nos seguros e protegidos – o mais invulnerável possível -, perderemos tantas gratificações e alegrias que, de outra forma, nos esperam.

NOTA: Esta postagem se concentrou principalmente no motivo não intuitivo de se tornar mais vulnerável.

Em uma futura postagem vou me concentrar no desenvolvimento de sua capacidade de auto-validação, principalmente diante da desaprovação de outras pessoas, bem como maneiras de se acalmar em situações que agitam suas emoções.