Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

Construindo Uma Autoestima Saudável

Em uma tarde quente de verão, há muitos anos, uma colega me confidenciou: “Tenho pernas muito feias – joelhos ruins e de aparência ruim”.

Ficou claro que esse problema era uma fonte de autodúvida.

Estávamos sentadas no jardim do hospital almoçando e conversando sobre trabalho, e eu não tinha certeza se a ouvira corretamente.

Se fosse comparar, essa mulher tinha um corpo bastante normal.

Ela também era profissionalmente realizada, tinha uma família amorosa e um círculo de amigos de apoio.

Apesar do fato de que ela usava uma saia para trabalhar em várias ocasiões, eu nunca tinha notado suas pernas de um jeito ou de outro.

Veja também: Como O Facebook Pode Amplificar A Baixa Autoestima, Narcisismo E Ansiedade

Olhei rapidamente para elas e depois olhei nos olhos dela.

Sem lisonjear, eu disse a ela: “Eu realmente não vejo o que você está falando”.

Veja bem, eu provavelmente estava muito mais consciente do meu cabelo naquele momento – o que era uma estranha combinação de achatamento e frizz da umidade, uma mecha perdida agarrada umidamente à minha têmpora.

Quase todo mundo tem algo sobre si próprio que gostaria de mudar.

No entanto, há uma diferença importante entre: “Seria bom (avançar na minha carreira, ter cabelo de comercial de shampoo, ter um corpo mais tonificado)” e o mais doloroso: “Eu não estou bem por causa de X, Y, Z”.

Exemplos incluem a pessoa pesada (ou magra) que acredita que precisa perder peso para aliviar uma sensação de “maldade” interior; o aluno que acredita que se não receber a pontuação máxima, será um fracasso total; a pessoa solteira que se preocupa com seu status de relacionamento, prova que não é realmente amável; o profissional que acredita que só “será importante” quando ultrapassar um determinado limite de ganho, e assim por diante.

Embora, para alguns, as inseguranças internas pareçam indiscutivelmente menos óbvias que as físicas, elas não são menos poderosas em moldar o que pensamos que valemos.

Essas crenças sobre nós mesmos podem influenciar os objetivos que alcançamos, bem como nossa capacidade de aceitar coisas boas para nós mesmos quando elas surgirem.

O que molda sua autoestima?

Se a baixa autoestima merece ou não a presença de um profissional depende de como alguém se sente angustiado e até que ponto o problema atrapalha a maneira de fazer as coisas que se quer ou precisa fazer.

Quando nossas inseguranças interferem em nossa capacidade de aceitar quem somos, ou em nosso funcionamento social ou emocional, é hora de abordar os problemas de frente.

Veja também: 13 Coisas Para Lembrar Se Você Ama Uma Pessoa Com Ansiedade

Aqui estão sete estratégias para melhorar a auto aceitação e confiar menos na validação externa ou em comparações internas com outras pessoas:

1. Pergunte A Si Mesmo(A): “O Que Eu Valorizo?”

Outra maneira de expressar isso pode ser: “Que qualidades eu admiro nos outros”.

Mesmo que possamos invejar as coxas grandes e duras das blogueiras fitness, as chances são de que o que respeitamos sobre elas tem muito mais a ver com a forma como se comportam, o que é importante para elas e como nos sentimos quando estamos com essas pessoas ou vemos fotos delas.

Essa pessoa é caridosa? Gentil? Amada? Útil?

Essas qualidades provavelmente são as que também possuímos ou gostaríamos de desenvolver em nós mesmos.

2. Depois De Responder À Pergunta Acima, Pergunte-se: “O Que Preciso Fazer Para Viver De Acordo Com O Que Valorizo?”

Por exemplo, se você valoriza a caridade, encontre maneiras pelas quais você pode ser caridoso.

Isso pode ser feito através de trabalho voluntário formal ou ajudando um amigo ou ente querido.

Há uma boa razão para que pessoas de todo o mundo saibam quem era Madre Teresa e por que ninguém menciona suas coxas ou penteado.

Sua caridade e serviço aos outros foram lendários.

Veja também: Será Que Você Está Sendo Autoconsciente Demais?

3. Pratique O (Auto) Perdão.

Muitas vezes, parece mais seguro concentrar-se conscientemente em algo externo ou material que parece “não ser bom o suficiente” e não nas coisas que gostaríamos de ter feito de maneira diferente.

Enfatizo para os pacientes que cometer erros é uma parte normal do aprendizado.

Ninguém sai andando direto do útero – primeiro aprendemos a sentar, a engatinhar e depois a andar – caindo inúmeras vezes – antes de podermos andar, correr e brincar!

Reconheça o que você gostaria de fazer de maneira diferente agora – o único período em que podemos agir para melhorar as coisas.

4. Defina Metas Discretas, Mensuráveis ​​E De Acordo Com O Que Você Valoriza.

Deixe espaço para objetivos divertidos quando possível.

Perceber que você pode realizar as coisas que você se propõe a fazer – até coisas mundanas – faz parte de como construímos a autoestima.

5. Pergunte A Si Mesmo Todos Os Dias: “Pelo Que Sou Grato?”

Todos – e quero dizer que todos – se estiverem dispostos – podem encontrar pelo menos uma pequena coisa por dia pela qual possam ser gratos.

Mesmo quando as coisas parecem ruins, podemos ser gratos pela bondade de alguém, por alguma parte do corpo que funciona (mesmo se estivermos doentes), pelo sol brilhando, pelas lições que podemos aprender até pelas pessoas difíceis em nossas vidas, etc.

6. Visualize-se Jogando Fora As Ideias Duras E Desatualizadas Sobre Você Que Você (Realmente!) Não Precisa Mais.

Elas não fazem nenhum bem.

Veja-se sentindo como gostaria de sentir, fazendo as coisas que são mais significativas para você.

Imagens e auto hipnose podem ser ferramentas muito poderosas para esse fim.

Há muitos programas de auto hipnose para “Autoestima saudável” que podem ajudar a mudar o “transe” negativo de se sentir “insuficiente” e ajudá-lo a seguir em frente, criando mais para sua vida.

7. Se Você Precisar De Ajuda Adicional Com Os Itens Acima, Vale A Pena Consultar Um Profissional De Saúde Mental.

O procedimento acima pode nos ajudar a colocar as coisas em perspectiva, criar evidências de sucesso e observar algumas das coisas positivas que podemos ter esquecido em nossas vidas.

Fique bem!