Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

Por Que A Geração Y É Tão Ansiosa E Infeliz?

Aqui estão alguns dos estereótipos negativos dos jovens adultos de hoje, conhecidos como millennials – ou seja, aqueles nascidos entre 1981 e 1996: eles têm direito, são indiferentes, egocêntricos, hipersensíveis às críticas e incapazes de lidar com o estresse da vida real.

Mas também é dito que eles são diversos, abertos com suas emoções, profundamente empáticos e interessados ​​em fazer mudanças substanciais e importantes no mundo em que cresceram.

A verdade é que, embora ninguém possa realmente concordar com a geração milenar, uma coisa é bastante certa: eles estão estressados.

Até 17% deles estão deprimidos e 14% sofrem de ansiedade.

Os millennials buscam psicoterapia com mais frequência do que os membros da geração X ou outras gerações anteriores.

Eles podem precisar também.

O dinheiro é um dos pontos mais comuns para as preocupações dos millennials.

Muitos deles têm dificuldade em encontrar emprego, ainda moram com os pais ou abrigam sérias preocupações em ganhar dinheiro suficiente para levar suas próprias vidas a sério.

Os jovens de hoje enfrentam maiores dificuldades financeiras do que os brasileiros das gerações anteriores.

Quase 30% dos millennials se consideram menos abastados do que esperavam, dez anos atrás.

Eles também estão tendo problemas para economizar dinheiro, devido às crises recentes, às dívidas crescentes com empréstimos para estudantes e ao aumento do custo de vida.

Mas os problemas financeiros dos millennials são apenas uma parte da história.

Mais importante, essas preocupações indicam o quanto estão preocupados com o que virá a seguir – em fazer as escolhas certas hoje para garantir um futuro estável.

Na verdade, a própria tomada de decisão pode ser a principal razão pela qual a geração do milênio está tão deprimida e ansiosa, e por que eles sentem a necessidade de psicoterapia.

Escrevi anteriormente que muitos dos meus clientes nessa faixa de idade enfrentam, pela primeira vez, grandes escolhas que provavelmente terão consequências ao longo da vida e que se sentem profundamente incertos sobre como devem tomar essas decisões.

Mas existem outras facetas da ansiedade relacionada à decisão: alguns adultos jovens podem achar que têm muitas opções e que tentar distinguir entre as opções é sufocante.

Outros são apreendidos pela “paralisia da análise”, tendo dificuldade em entender por que uma opção é melhor que outra e se sentindo incapaz de fazer uma escolha.

Aos 25 anos, por exemplo, é provável que um jovem enfrente a maioria das grandes decisões da vida nos próximos 10 a 15 anos.

Metaforicamente falando, as pessoas nessa posição veem suas vidas como uma série de salas, cada uma delas revestida de portas.

Veja também: Tipos De Auto Conversa Positiva Durante Ataques De Ansiedade

Sempre que fazem uma escolha, eles passam por uma porta, apenas para perceber que todas as outras se fecharam.

Então, como veem, encontram-se em uma sala menor, cercada por menos portas do que na primeira.

Essas portas também se fecharão quando passarem por outra.

De fato, todas as portas selecionadas levam a uma sala ainda menor, até que as pessoas que fazem escolhas imaginam-se em um longo corredor, que se estende até não conseguir ver mais, sem portas (e sem opções) a serem feitas.

Esse modelo parece ainda mais sério quando se considera os medos realistas e relacionados ao dinheiro da geração do milênio: acabar com menos sucesso do que seus pais ou deixar de se sustentar em seu atual padrão de vida.

Mas quando você realmente precisa tomar uma decisão que tenha consequências na vida real, talvez essa não seja a maneira correta de encarar as coisas.

Nem toda decisão é absoluta e final.

Nem todas as portas se fecham permanentemente atrás de você; nem todos esses pontos de decisão, com suas múltiplas opções, serão perdidos para sempre.

Lembre-se de que é comum e razoável encontrar um novo emprego, se casar novamente ou voltar à escola, se necessário.

(O baby-boom médio tardio, nascido entre 1957 e 1964, terá 12 empregos diferentes em sua vida). Tente pensar com flexibilidade sobre o seu futuro, sempre que puder.

E lembre-se de que a boa tomada de decisão deve ter como premissa as crenças e os valores genuínos – não preocupações, “E SEs” ou coisas hipotéticas decorrentes da ansiedade.

É por isso que um bom entendimento de suas próprias necessidades é crucial para a tomada de decisões sólidas.

Se você se conhece bem (e a maioria de nós começa a se entender melhor à medida que envelhecemos), será mais fácil saber quando é certo voltar e tentar outra coisa.

Conversar com seus amigos ou familiares sobre o que você deseja ou encontrar um bom terapeuta com quem possa discutir essas questões pode ser uma fonte essencial desse tipo de autoconhecimento.

Além disso, é importante lembrar-se de ser gentil consigo mesmo quando estiver passando por um período estressante.

Nem todo mundo encontra o parceiro certo para a vida, cria uma obra-prima artística ou abre uma empresa de sucesso antes dos 30 anos.

Se você é duro com isso, espera muito de si mesmo e se sente preso, tente exercer mais autocompaixão.

Não espere perfeição.

Você pode cometer erros.

Tome nota cuidadosa dos aspectos de suas escolhas que você pode controlar, bem como daqueles que você não pode – e não se culpe por não ter acertado tudo.

Em vez disso, ao tomar uma decisão, tente aceitar e obter conforto com o ato de entrar propositalmente no desconhecido, mesmo quando você reconhece que a incerteza faz parte da vida.

Em vez de se repreender sobre tomar a “decisão certa” todas as vezes, tente tomar a decisão da melhor maneira possível, usando todas as informações e recursos disponíveis – e depois, viva o resultado da maneira mais natural possível, sabendo que o seu processo de decisão foi bom.

>