Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

Como Vencer O TOC Sem Remédios (É Simples, Mas Não É Fácil!)

O Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC) é um transtorno de ansiedade surpreendentemente comum e potencialmente incapacitante.

Apenas 25 a 30 anos atrás, acreditava-se ser uma doença psiquiátrica rara que afetava apenas uma pequena fração da população.

Atualmente, no entanto – devido em parte a uma crescente conscientização sobre terapias eficazes – o TOC é conhecido por impactar milhões de brasileiros a qualquer momento.

Se não for tratado, o TOC pode impactar drasticamente a vida das pessoas, sobrecarregando-as com pensamentos e imagens implacáveis, irracionais, horríveis e intrusivas (obsessões) e comportamentos (compulsões) demorados, repetitivos ou elaborados e desadaptativos (também compulsões).

Veja também: Sentindo-se Assustado O Tempo Todo? Aqui Está O Que Fazer

No entanto, por mais debilitante que seja, o TOC responde muito bem à terapia comportamental não médica (por exemplo, TCC).

De fato, para a maioria das pessoas, a TCC (terapia cognitivo comportamental) deve ser considerada o tratamento de primeira linha para o TOC.

De fato, estudos de neuroimagem mostraram que a TCC para o TOC altera a atividade cerebral da mesma maneira que a medicação, mas é mais eficaz, não tem risco de efeitos colaterais dos medicamentos e tem uma taxa de recaída muito menor.

O fundamento da TCC para o TOC envolve um método chamado EPR – exposição e prevenção de resposta (ou ritual).

Quando feito adequadamente por um terapeuta qualificado – e desde que o paciente com TOC esteja altamente motivado -, 80% das pessoas podem conquistar uma melhora significativa.

O tratamento médico, por outro lado, tem apenas 50% de melhora e acarreta um risco muito maior de recaída (além de vários efeitos colaterais).

Em essência, como digo aos meus clientes, o EPR é simples, mas não é fácil.

Não é complicado, mas exige uma enorme quantidade de esforço psicológico.

É por isso que a motivação para a mudança é um dos melhores preditores de sucesso – fazer EPR exige coragem.

Na sua essência, os comportamentos do TOC são esforços contraproducentes para aumentar ou manter uma sensação de segurança quando as pessoas se sentem ameaçadas, em risco ou em perigo.

Mas, ironicamente, as ações de busca de segurança apenas levam ao agravamento da ansiedade por causa do que é chamado de reforço negativo (não deve ser confundido com punição).

Veja também: Como Parar De Tomar Medicamentos Para Ansiedade

Em termos mais simples, os comportamentos inadequados de busca de segurança, típicos do TOC, são: evitar, escapar e tranquilizar:

  • Evitar: Essencialmente, esforços voltados para não enfrentar ou não experimentar um estímulo desencadeador de ansiedade (ou seja, algo, evento ou situação que evoque ansiedade).
  • Fuga: Basicamente, fazer um ritual.
  • Esta é uma ação ou comportamento que é feito em resposta à ansiedade, em um esforço para neutralizá-la.
  • Esses comportamentos podem ser evidentes ou observáveis, como lavar, verificar, limpar, organizar, repetir ou mover-se de uma certa maneira.
  • Os rituais também podem ser secretos ou privados, como pensamentos específicos ou transformar certos pensamentos ou imagens em menos ameaçadores.
  • Busca de tranquilização: Fazer perguntas repetidamente, em um esforço para que outras pessoas proporcionem conforto, confirmando que nada de ruim aconteceu ou que está tudo bem.
  • Em alguns casos, isso pode envolver a busca de garantias a partir de pesquisas na Internet e redes sociais, telefonemas para hospitais ou polícia.

Como afirmado acima, esses comportamentos de busca de segurança associados ao TOC paradoxalmente fortalecem a ansiedade e levam as pessoas a se sentirem ainda mais preocupadas e inseguras.

De fato, o TOC é muitas vezes referido como “a doença que duvida” porque, na sua raiz, existem sentimentos profundos de duvidar de algum aspecto importante da segurança (isto é, estar em risco ou em perigo).

Portanto, quem sofre de TOC é “compelido” a reduzir a dúvida e aumentar a sensação de que as coisas são seguras – mas apenas piora a doença ao se envolver em rituais inadequados (busca de segurança irracional ou excessiva) que a reforçam negativamente.

O EPR para o TOC envolve pacientes e, às vezes, pessoas próximas, aprendendo a não habilitar o TOC (muitas vezes inadvertidamente) alimentando a doença com seus três combustíveis principais (ou seja, evitar, fugir e procurar tranquilizar).

Veja também: Como A Ansiedade Provoca Todos Os Tipos De Pensamentos Assustadores

A única maneira de vencer o TOC é experimentando e processando psicologicamente a ansiedade desencadeada (exposição) até que ela se resolva sozinha – sem tentar neutralizá-la com qualquer ação de busca de segurança (resposta ou prevenção ritual).

Como um de meus clientes de TOC disse, “É melhor ter sanidade do que estar seguro!”

Quanto ao que os membros da família podem fazer, a melhor maneira de ajudar um ente querido é com o “amor difícil”, que exige não ajudar com nenhum comportamento do TOC – especialmente, em muitos casos, não fornecer segurança.

Todos os que sofrem de TOC se envolvem em algum grau de fortalecimento da ansiedade, prevenção, fuga ou busca de tranquilidade.

No entanto, é importante ter em mente que todas as pessoas são únicas; assim, todos exigirão uma estratégia de tratamento de EPR altamente individualizada.

Alguns se dão bem com uma abordagem gradual; isso geralmente envolve subir lentamente uma hierarquia de situações que provocam ansiedade, como subir uma escada degrau por degrau.

Outros se saem melhor com um EPR frontal muito mais agressivo que enfrenta alguns dos desafios mais provocadores de ansiedade logo de cara.

Em qualquer um dos casos, o mais crucial é que o doente de TOC não faça rituais de busca de segurança (ou seja, escape ou busque segurança), mas aguarde até que seus níveis de ansiedade diminuam significativamente enquanto permanece na situação desencadeante.

Em alguns casos, a ansiedade diminui rapidamente – em questão de minutos – enquanto em outros casos pode persistir por muito mais tempo.

Por mais desagradável que seja, a ansiedade que as pessoas sentem ao passar pelo EPR é necessária para que o progresso e a melhoria ocorram.

Deve ser interpretado como o cérebro tentando reequilibrar sua química e normalizar sua atividade.

Como costumo dizer aos meus clientes de TOC, “a dor que você sente é seu cérebro tentando curar”.

Se uma pessoa com TOC simplesmente – mas novamente, não com facilidade – para de evitar a ansiedade, recusa-se a escapar da ansiedade irracional, neutralizando-a com um ritual, e resiste ao desejo de buscar segurança, ele ou ela cortará o combustível que alimenta o TOC.

Eventualmente, como um carro que fica sem gasolina, em maior ou menor grau, o TOC também para.

Lembre-se: pense bem, aja bem, sinta-se bem, fique bem!