Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

Ansiedade Em Estudantes Do Ensino Médio E Universitário: Por Que A Epidemia?

A epidemia de ansiedade nas escolas secundárias e nos campus das faculdades é impressionante.

Nos últimos sete anos, a ansiedade se tornou a principal razão pela qual os estudantes universitários procuram aconselhamento.

Estou vendo isso na minha prática clínica, lendo sobre isso em artigos de notícias e ouvindo sobre isso de terapeutas quando dou palestras em todo o país sobre tratamento da ansiedade.

Os transtornos de ansiedade afetam 25% dos adolescentes, uma porcentagem que tem aumentado constantemente nos últimos 30 anos e não mostra sinais de desaceleração.

O que está acontecendo?

Quando escrevia O Programa Ansiedade E Pânico – A Solução Definitiva, que oferece opções de autotratamento para aliviar a ansiedade, eu tinha pouca ideia de como os transtornos de ansiedade estavam se tornando epidemia e ainda menos consciência das taxas dramaticamente crescentes entre estudantes do ensino médio e universitários.

As “prescrições” de tratamento que sugiro no livro parecem ainda mais vitais agora.

É melhor os alunos aliviarem a ansiedade com técnicas que não envolvem medicamentos.

Medicamentos anti-ansiedade podem criar dependência física (antidepressivos sedativos) ou vício (benzodiazepínicos como Valium).

A prevenção quase sempre supera o tratamento, por isso tenho procurado maneiras de entender os fatores que têm desencadeado o aumento da ansiedade entre os jovens.

Estou satisfeito, portanto, por ter encontrado a oportunidade de conversar com o autor Americano de 21 anos e ativista em saúde mental Jake Heilbrunn.

O livro de Jake, Off The Beaten Trail e sua palestra no TEDx me impressionaram.

Veja também: 5 Dicas Rápidas Para Reduzir O Estresse E Parar A Ansiedade

A Epidemia De Ansiedade Estudantil

Muito obrigado a Jake por compartilhar suas perspectivas comigo e com meus leitores.

Como Você Se Tornou Tão Dedicado A Ajudar Adolescentes Ansiosos?

Durante meu primeiro semestre de faculdade, lutei contra uma ansiedade incapacitante, uma condição induzida pela ansiedade e depressão.

Uma das poucas pessoas que sabiam que eu estava passando por isso era conselheira de carreira.

No final da minha primeira visita a essa conselheira de carreira, que me perguntou como eu estava me sentindo e por que, eu comecei a chorar no escritório dela.

Depois de analisar meus problemas por meses, encontrei um adulto que me incentivou a compartilhar o que estava em minha mente.

O alívio que senti naquele dia foi enorme.

O Que Você Acha Que É Uma Das Principais Razões Pelas Quais Os Jovens Estão Experimentando Níveis Tão Graves De Ansiedade?

Com base em minha própria experiência, além de conversar com milhares de estudantes do ensino médio e da faculdade quando falo em escolas, vejo o uso generalizado das redes sociais como um novo gatilho de ansiedade.

A geração do milênio e a geração Z, como eu, estão crescendo em um mundo com duas vidas, ambas igualmente reais: digital e analógica (pessoalmente).

Em nossas vidas digitais (também conhecidas como “redes sociais”), estamos constantemente tentando manter uma imagem.

Pintamos quadros de nossas vidas com as fotos e histórias sobre nós mesmos que publicamos.

E comparamos a realidade de nossas vidas com as imagens que os outros pintam nas redes sociais de suas vidas, ou pelo menos do que eles querem que pensemos que são suas vidas.

Veja também: Ansiedade De Redes Sociais Existe, E Aqui Estão As Sensações E Soluções

Por Que Você Acha Que As Redes Sociais Geram Maior Ansiedade Para Os Jovens Do Que Para Os Adultos Mais Velhos?

Quantidade.

A geração Z passa, em média, quatro horas por dia nas redes sociais.

Imagine passar ¼ da sua vida de vigília subconscientemente se comparando às pessoas que você segue no Snapchat, Instagram e Facebook.

Mais tempo nas redes sociais gera mais sofrimento emocional.

Rolagem constante e comparação social geram pensamentos como: “Eu não sou bom o suficiente, feliz o suficiente, inteligente o suficiente, bonito o suficiente… etc”.

Um fluxo contínuo desses tipos de pensamentos negativos de comparação com muita frequência culmina com sentimentos avassaladores de preocupação – gerando ansiedade – e de ser menos que os outros, o que gera depressão.

De fato, pesquisas demonstraram uma ligação direta entre a quantidade de tempo gasto nas redes sociais e os níveis de ansiedade e depressão.

Ao mesmo tempo, quanto mais ansiosos os jovens se sentem, mais tentados e até viciados, eles podem ficar para constantemente buscar nas redes sociais informações sobre seu status social.

O ciclo vicioso continua.

Veja também: 10 Coisas P/ Não Fazer No Facebook Se Você Tem Ansiedade Social

Existem Outras Maneiras Pelas Quais As Redes Sociais Parecem Atrair Ansiedade?

Com certeza.

Os alunos abrem a porta para entrar no dormitório e, em vez de conversar com os colegas, o que eles fazem?

Eles verificam sua página no Facebook.

Eles querem fazer uma pausa nos estudos e o que fazem?

O mesmo.

Primeira coisa quando acordam de manhã, o que fazem?

Abrem o Instagram.

Toda essa verificação de rede social é tempo que, no passado, poderia ter passado saindo com os amigos.

Conversar pessoalmente, ao contrário de ler sobre amigos nas redes sociais, cria conexões sociais.

As conexões sociais criam autoconfiança.

Portanto, além de criar sentimentos de ansiedade, a verificação nas redes sociais diminui a quantidade de bons sentimentos induzidos pela ocitocina gerados pelo contato real entre amigos.

Além disso, há algo sobre telefones celulares e computadores que os tornam viciantes.

Isso significa que os alunos não estão apenas ocasionalmente pensando em como eles se relacionam com os outros.

Os viciados continuam checando e checando na esperança de uma dose de bons sentimentos.

E, com demasiada frequência, experimentam sentimentos de ansiedade ou depressão, porque, em vez de obter aquela sensação de superioridade, veem alguém que parece melhor do que eles ou alguém que disse algo hostil sobre eles.

Obviamente, olhar para os outros em busca de pistas sobre como os outros veem você tem sido uma maneira adolescente de esclarecer a auto-imagem.

Os adolescentes sempre procuraram entender quem são e como se classificam com os outros, verificando o que os outros pensam deles.

A triste reviravolta induzida pelas redes sociais é que os alunos recebem imagens falsas de grande felicidade induzidas pelas postagens de aprimoramento de imagem de outros.

E quando os Likes em suas postagens substituem a diversão que os adolescentes costumavam obter de interações sociais diretas, como conversar, sorrir e “sair” com os amigos, a vida se torna mais assustadora e menos gratificante.

Veja também: Como Lidar Com Seus Medos e Traumas Facilmente

O Que Mais Pode Estar Induzindo Tanta Ansiedade Dos Alunos?

É claro que existem os suspeitos do costume, como dificuldades com namoradas e namorados, estresse com muito dever de casa e conflitos com colegas de quarto.

O que pode ter mudado, no entanto, é que os pais “helicópteros”, com os pais sempre sobrevoando por perto para “ajudar”, em vez de as crianças aprenderem a resolver problemas por conta própria, podem deixar os estudantes menos preparados para lidar com essas tensões.

E A Realidade De Que Mais Jovens Adultos Agora Frequentam A Faculdade?

Isso também é provavelmente um fator.

No ensino médio, as crianças e seus pais se preocupam com o que farão na faculdade.

Além disso, para muitos estudantes, a faculdade é o próximo passo automático após o ensino médio, mesmo sabendo que têm apenas um interesse mínimo em obter mais educação.

Então, assim que entram na faculdade, os alunos e seus pais estão gastando grandes quantias de dinheiro e podem estar fazendo grandes empréstimos para estudantes.

No entanto, muitas crianças na faculdade têm muito pouca noção do que é valioso no que estão comprando.

Assim, a faculdade pode gerar uma enorme pressão financeira com pouco retorno, além de uma vida social divertida – ou seja, festas e bebidas.

Como Os Pais E Os Educadores Podem Ajudar Os Jovens Que Sofrem De Ansiedade?

Muitos millennials e geração Z sentem uma pressão excessiva dos pais e da sociedade para que tenham sucesso na escola.

Embora seja verdade que os jovens das gerações anteriores também sentiram esse tipo de pressão, o advento das redes sociais parece ter aumentado significativamente.

Quando os pais se preocupam com o fato de os filhos entrarem na faculdade certa ou terem sucesso na faculdade, essa pressão se multiplica depois.

Portanto, para ajudar seus filhos, um lugar para os pais começarem é avaliar suas próprias ansiedades.

Se os pais puderem dar um salto de fé e simplesmente amarem seus filhos como eles são, com ou sem realizações mensuráveis, essa atitude mais relaxada e amorosa pode ajudar bastante a facilitar a passagem da vida adulta para seus filhos.

Os pais também podem ser úteis, convidando os filhos a dizer o que está acontecendo dentro de suas cabeças.

O que...” e “Como...” são as melhores palavras para começar, pois esses iniciantes abertos oferecem respostas completas.

Você…” ou ” Você…“, por outro lado, convida respostas curtas, sim ou não.

Eles também tendem a convidar respostas defensivas em vez de reflexivas.

Os pais precisam estar dispostos a responder com interesse, não com críticas, sejam quais forem as respostas que ouvirem.

Sim, isso faz sentido porque…”. Então, se eles não entenderem, podem pedir mais informações.

Eles podem fazer a próxima pergunta “O que...”. ou  Como...”.

A conversa terminará rapidamente se um pai responder com qualquer versão de “Você não deve se sentir assim porque…”.

Veja também: Causas Da Ansiedade Na Adolescência

Como Conversar Com Um Conselheiro O Ajudou A Aliviar Suas Ansiedades?

Durante vários meses, vi o conselheiro de carreira cinco vezes.

O conselheiro me ensinou habilidades de enfrentamento da ansiedade, principalmente ao me encorajar a dizer em voz alta os pensamentos negativos.

Colocar em palavras os sentimentos de ansiedade que estavam me consumindo me permitiu ouvir meus sentimentos para que eles pudessem me informar sobre minhas preocupações.

O conselheiro então me perguntou quais seriam as formas alternativas de responder a essas preocupações.

Comecei a descobrir novas soluções para as situações desafiadoras que eu estava enfrentando.

Conversar sobre meus sentimentos e pensamentos com uma pessoa ouvindo que levou minhas preocupações a sério e depois me incentivou a procurar soluções me ensinou a fazer o mesmo.

Falar sobre os sentimentos oferece alívio por si só.

Além disso, com sentimentos e pensamentos em aberto, eu poderia começar a descobrir o que poderia ajudar.

Essas conversas mudaram o curso da minha vida.

Elas me ensinaram que a ansiedade sinaliza que há um problema que preciso resolver.

Elas deram início à minha jornada que me levou a superar minha ansiedade incapacitante.

O Que Mais Você Aprendeu Com Sua Experiência De Ansiedade E Eventual Alívio Na Faculdade?

Os pais e os educadores precisam entender que, quando os jovens experimentam ansiedade e depressão, geralmente sentimos vergonha.

Nós pensamos que estamos sozinhos.

Achamos que ninguém mais está experimentando esses sentimentos.

E não temos ideia do que fazer para que os sentimentos de ansiedade desapareçam.

Sem ninguém com quem conversar, nos sentimos isolados, sem esperança, presos em sentimentos que nos envergonham e girando com preocupações, em vez de começar a resolver problemas.

É quando comportamentos auto-prejudiciais podem começar a parecer atraentes.

Agora, olhando para trás, vejo isso nesses momentos frágeis:

  • Primeiro precisamos ser ouvidos.
  • Não é preciso dizer que não é tão ruim assim, mas levar nossos sentimentos a sério, como bons dados.
  • Dessa forma, podemos começar a ouvir e entender a nós mesmos.
  • Então, para sermos perguntados, ou para nos perguntarmos: “Então, o que você gostaria de fazer sobre essa situação?
  • O que você poderia fazer de diferente para ajudar?

Essas perguntas nos levam a começar a resolver problemas.

Que Outras Crenças Culturalmente Predominantes Podem Contribuir Para A Ansiedade?

Muitos jovens acreditam que precisam ser “perfeitos” para serem felizes e bem-sucedidos.

Eu mantive essa crença, e isso me assustou muito.

Continuei encontrando outros estudantes que pareciam ser mais “perfeitos” e fiquei aterrorizado.

Nosso sistema educacional tem um forte foco nas notas.

Os alunos podem compartilhar a crença de que boas notas é igual a sucesso e notas ruins é igual a reprovação.

Adquirir a crença de que as notas são o único fator que determina o sucesso e a felicidade na vida promove a ansiedade.

É aterrorizante quando acreditamos que somos um fracasso, e continuará sendo um fracasso, se não recebermos notas A’s.

Isso não quer dizer que os alunos não devam trabalhar duro, procurar aconselhamento ou orientação e se esforçar para aprender.

O problema surge quando os alunos adotam a crença de que “notas são tudo”.

Essa crença pode levar à ansiedade, trapaça, depressão e até medidas drásticas como o suicídio.

Ao mudar nossas crenças para uma perspectiva que se concentra no aprendizado devido ao interesse no assunto, podemos diminuir o estresse e obter mais educação nos estudos do ensino médio e superior.

Gratidão, esportes, escrever em um diário, voluntariado, exercícios e passatempos extracurriculares também desenvolvem perspectivas mais amplas, criadas para uma vida profissional e socialmente bem-sucedida.

Outra crença equivocada para mim, no entanto, foi a mais mortal.

Eu acreditava que meus pais e professores eram os que sabiam melhor o que era bom para mim.

Essa crença resultou na incapacidade de ouvir minha própria intuição, meus próprios pensamentos e sentimentos.

Quando assumi que meus pais queriam que eu estivesse na faculdade e que eu não queria estar lá, comecei a me afogar em um redemoinho de ansiedade.

Eu estava desligando as vozes calmas dentro de mim em favor de fazer as coisas por causa das expectativas de outras pessoas, o que provou ser o caminho perfeito para a crescente ansiedade e depressão.

Veja também: Lista Completa De Causas Da Ansiedade

Quais Conselhos Você Ofereceria A Um Aluno Que Está Lutando Contra A Ansiedade?

Eu ensinaria a ele primeiro que eles não estão sozinhos no que estão experimentando.

A ansiedade é normal.

Todo mundo sente isso de tempos em tempos.

É até um sentimento útil, porque avisa quando algo precisa de atenção.

Eu ensinaria a eles também que a ansiedade é temporária.

Ela desaparece assim que você identifica e criar um plano de ação para corrigir o problema que a ansiedade está tentando levá-los a olhar.

Eu os encorajaria a encontrar alguém com quem conversar.

Buscar ajuda é um sinal de força, não fraqueza.

Eu diria para eles ouvirem os pensamentos que acompanham sua ansiedade.

Em seguida, elabore um novo plano de ação para a situação em que a ansiedade está tentando levá-los a prestar atenção.

E, finalmente, eu diria a ele que a ansiedade pode ser crônica, um sentimento doentio que parece surgir do nada e dura indefinidamente.

Para a maioria dos estudantes do ensino médio e superior, porém, a ansiedade não precisa ser uma maldição sem sentido.

Sim, pode parecer absolutamente horrível.

Isso é certeza.

Ao mesmo tempo, a ansiedade pode destacar preocupações importantes e apontar o caminho para soluções.

A ansiedade então se transforma em uma bênção que nos ajuda a encontrar paz e propósito.