Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

4 Estratégias Para Superar De Vez A Ansiedade Social

Se você está acompanhando a discussão sobre introversão aqui (e ali, e em qualquer lugar), já sabe que introversão não é ansiedade social.

Ansiedade social é o medo da interação social.

A introversão é uma baixa motivação para procurá-la.

A ansiedade social pode ser superada.

A introversão não precisa ser.

Mas é claro que você pode ser um introvertido socialmente ansioso e, neste post, falaremos sobre isso, bem como o tipo de ansiedade social que borbulha em todos nós de tempos em tempos.

Podemos sofrer crises de ansiedade social em torno de eventos ou pessoas específicas, ou porque estamos nos sentindo frágeis no momento.

Às vezes, acho que os introvertidos podem ser geralmente vulneráveis ​​à ansiedade social, porque geralmente sentimos a pressão – internamente ou de outras pessoas – de se comportar de maneira contrária à nossa natureza.

Se optarmos por não nos esforçar para puxar papo deixar todo mundo confortável, somos considerados como “fracassados”.

É de admirar, então, que às vezes antecipamos eventos sociais – oportunidades de fracassar – com ansiedade?

Se você sofre de crises crônicas ou fugazes de ansiedade social, meu livro COMO SUPERAR A ANSIEDADE SOCIAL™ (cadastre seu e-mail para saber mais), tem ferramentas e estratégias para gerenciá-la.

E sim, isso significa sair da sua zona de segurança e fazer coisas que o assustam – até que não assustem mais.

Você fica menos ansioso vivendo sua vida.

A ansiedade social genuína se desenvolve quando começamos a nos proteger do pânico momento a momento da interação social, evitando-o, e evitar pode ser qualquer coisa desde recusar convites a enterrar o rosto no telefone ou ficar à margem das reuniões sociais.

No entanto, a única maneira de transcender esses pânicos momento a momento é conscientemente enfrentando-os repetidamente, até aprendermos que o mundo geralmente é seguro.

Então, sim, é uma daquelas coisas “encare seu medo”.

O que nunca é muito atraente.

Mas, para começar, aqui estão quatro conceitos e estratégias para entender e gerenciar a ansiedade social, crônica ou passageira.

Veja também: O Que É Transtorno Da Ansiedade Social? O Que Causa Ansiedade Social?

1. Ansiedade Social É Medo Do “Revelar”.

Na raiz da ansiedade social está o medo “da revelação de alguma falha fatal percebida”.

Freqüentemente, nos preocupamos com a nossa aparência e com a possibilidade de parecermos tão ansiosos quanto: “Você pode se preocupar que as pessoas o vejam suar pela da camisa ou ficar vermelha, ou a sua voz tremer”. Ou o medo pode ser mais profundo: “Também nos preocupamos com o fato de sermos revelados como deficientes em habilidades sociais.

Que somos chatos ou que não têm personalidade ou que não fazemos nenhum sentido.

Preocupamo-nos com o fato de podermos pular de tópico em tópico, cuspir salada de palavras e não ser engraçado ou legal, e ninguém vai querer sair com a gente.

Mais profundamente ainda, podemos temer que toda a nossa personalidade seja de alguma forma deficiente.

Gerenciar a ansiedade social requer primeiro descobrir o que você considera sua falha fatal, a que você teme que será revelada.

Aposto que a falha que você teme expor não é tão ruim quanto você imagina e que certamente não é fatal.

Veja também: 10 Coisas P/ Não Fazer No Facebook Se Você Tem Ansiedade Social

2. A Ansiedade Social Diz Duas Grandes Mentiras.

A ansiedade social nos faz pensar que o pior cenário definitivamente vai acontecer.

Mas isso é uma mentira: a realidade é que os piores cenários nãocostumam acontecer e que o mundo geralmente é benigno.

Para refutar essa mentira, primeiro imagine o pior cenário, especificamente, em detalhes.

Se você puder se aprofundar e tentar descobrir exatamente do que tem medo, o que será revelado, será mais fácil argumentar.

É mais difícil argumentar com a miragem nebulosa do medo. Ao visualizar a ameaça exata, você pode avaliar a probabilidade de ela realmente ser uma ameaça.

E então, não acredite na mentira número dois – que, se o pior caso acontecesse, você não seria capaz de lidar com isso.

Porque você conseguiria.

Acredite ou não, o constrangimento nunca é fatal.

Você já viu alguém derramar uma bebida em um restaurante e, como resultado, imediatamente explodiu em chamas?

De fato, você pode achar que, mesmo se você tiver momentos em que você se atrapalha, as pessoas acham isso mais agradável do que ridículo.

A melhor maneira de afastar essas mentiras é sair do mundo e praticar: Quando evitamos, não conseguimos refutar essas duas coisas.

Não temos a experiência de saber que a maioria das pessoas é legal, coisas ruins geralmente não acontecem, as pessoas ficam felizes em ajudar.

Não o tempo todo, mas na maioria das vezes.

E sim, coisas ruins podem acontecer, mas podemos lidar com isso.

Somos capazes de lidar com interações com nossos colegas humanos.

Veja também: 10 Dicas Para Encontrar O Amor E Namoro Com Ansiedade Social

3. Seus Comportamentos De Segurança Não Funcionam.

Muitas vezes pensamos que como nos sentimos é como parecemos.

Se estivermos ansiosos, deve estar escrito isso na testa.

Mas isso geralmente não é verdade.

A ansiedade, embora muito visível, não é particularmente visível do lado de fora.

O que são visíveis, no entanto, são nossos comportamentos de segurança – as coisas que fazemos para reduzir artificialmente a ansiedade. Coisas como ficar mexendo nos nossos celulares, olhar para o chão, falar em voz baixa.

Essas coisas nos fazem sentir melhor, mas na verdade também nos faz parecer um pouco estranhos: “Eles são o colete salva-vidas que na realidade o mantém embaixo da água”.

Faça o esforço para abandonar seus comportamentos de segurança – deixe de lado o celular, olhe para cima e faça parte do grupo em vez de pairar pelas extremidades – não apenas fará você se sentir menos ansioso, como também descobrirá que as pessoas gostam mais da sua pessoa e da sua companhia.

Veja também: Qual É A Diferença Entre Timidez De Ansiedade Social?

4. Ansiedade Social Está Na Sua Cabeça.

Sim, sim, obviamente.

Mas também de uma maneira menos óbvia, porque quanto mais sua atenção é voltada para dentro, mais poder você dá.

Se nossa atenção estiver focada para dentro, podemos estar pensando ‘ela provavelmente pensa que sou uma idiota’ ou ‘ela apenas se mexeu na cadeira, isso significa que está entediada?’ Temos esse jogo interno de como as coisas estão indo.

Mas, como estamos perguntando à nossa ansiedade como estão as coisas, ela sempre responde ‘mal’.

E todo esse processamento e monitoramento interno ocupa todo o nosso consciente e deixa muito pouco para realmente interagir.

Ocupar a concentração para não derramar nossa bebida ou tropeçar em nossos pés.

Em outras palavras, se preocupar com as coisas que podem dar errado pode realmente contribuir para que as coisas dêem errado.

Felizmente, temos controle sobre onde focamos nossa atenção: “Se desviarmos nossa atenção, focar no que está acontecendo ao nosso redor, magicamente boa parte dessa ‘largura de banda’ é liberada e se enche de curiosidade natural – o que nos interessa, que perguntas nós queremos perguntar – e nossa própria autenticidade.

Experimente este experimento hoje: tenha duas conversas.

Em uma, concentre sua atenção para dentro.

Monitore seu corpo.

Pense no que você deve dizer.

Na segunda conversa, foque para fora.

Agora pergunte a si mesmo qual conversa foi mais agradável, mais produtiva.

De qual você gostou mais?

Essas dicas, é claro, apenas arranham a superfície do problema, especialmente se você sofre de ansiedade social que inibe toda vida.

Você pode aprender mais no meu livro ou conversar com um profissional especializado em transtornos de ansiedade.