Acabe HOJE com os sintomas que você está sentindo

Ajudando Seu Filho Ansioso A Crescer, Amadurecer E Ter Sucesso

Quando seu filho está com medo, uma reação comum é tirar a criança do perigo.

Isso faz sentido se o medo é de algo realmente perigoso (por exemplo, um leão não enjaulado, atravessando uma rua movimentada) e pode ensinar a criança a identificar e prevenir perigos reais.

Mas e se houver muito menos risco associado ao objeto ou situação temida, como pegar um avião, dormir sozinho no quarto ou ir à escola?

E se as preocupações os impedirem de atingir seus objetivos ou interferirem na qualidade de vida de sua família?

Embora permitir que uma criança evite seus medos possa fazê-la se sentir melhor, isso geralmente é uma pausa temporária.

De fato, acomodar a ansiedade de uma criança mantém e reforça o medo a longo prazo.

De fato, as crianças nessas situações geralmente desenvolvem a crença de que são incapazes de lidar com a ansiedade ou que o medo é realmente ameaçador.

Veja também: 10 Sinais De Uma Criança Ansiosa

A pergunta é: o que realmente queremos que eles aprendam?

Muitos pais têm o objetivo de ensinar seus filhos a serem corajosos diante da ansiedade.

Como fazemos isso?

Modelo Bravura

Ver o seu filho angustiado é indescritivelmente difícil, e isso exige que os pais lidem com a própria ansiedade.

É provável que os pais sejam os melhores exemplos de seus filhos e, ao demonstrar bravura, é mais provável que seu filho siga o exemplo.

Modelar comportamentos corajosos quando seu filho se depara com uma situação difícil pode ser associado a uma validação e empatia genuínas, como “Eu entendo que você está nervoso com o primeiro dia de aula. O primeiro dia pode ser difícil”.

Permitir que as crianças se envolvam em situações provocadoras de ansiedade pode ajudar a promover sua confiança.

Bravura e calma também podem ser modeladas quando seu filho é um observador.

Por exemplo, quando seu filho vê você pedindo ajuda no supermercado ou se mantendo calmo enquanto se atrasa para um compromisso no trânsito na hora do rush.

Externalizar A Ansiedade

Veja também: 7 Maneiras De Lidar Com A Ansiedade Sobre Seu Filho Adolescente

A ansiedade pode dominar toda a família, perpetuando mais estresse.

Às vezes, o estresse dos pais é expresso por culpa não intencional (“Ele não pode comer fora por causa de sua ansiedade”).

Esses comentários indiretos enviam a mensagem de que a ansiedade é culpa da criança.

Ao modificar o idioma (“A ansiedade torna difícil para meu filho comer fora”), a ansiedade é externalizada e a criança não é culpada.

Enfrentando O Medo 

O tratamento padrão-ouro para a ansiedade (e o núcleo da Terapia Comportamental Cognitiva) é a exposição ou, simplesmente, enfrentar seus medos.

Isso pode parecer contra-intuitivo, pois quando exposto a uma situação que provoca ansiedade, a ansiedade aumenta inicialmente; no entanto, se continuarmos a exposição, a ansiedade diminui com o tempo (Foa & Kozak, 1986) e aprendemos a tolerar o sofrimento (Craske et al, 2008)

Enfrentando seus medos, as crianças podem aprender que seu resultado temido provavelmente não se tornará realidade (Craske et al, 2008).

Por exemplo, uma criança com ansiedade de separação aprende através de tentativas de se separar gradualmente dos pais que seu resultado temido (dano a si próprio ou aos pais) provavelmente não ocorrerá.

A criança também pode aprender que a ansiedade e a preocupação são temporárias, pois a ansiedade se dissipa ao longo do tempo com exposições repetidas.

Reforço Positivo

Veja também: 10 Razões Pelas Quais Os Adolescentes Têm Tanta Ansiedade Hoje

Para incentivar as crianças ansiosas a continuar enfrentando seus medos, os pais podem reforçar positivamente seus filhos pelos esforços.

O reforço positivo está fornecendo uma resposta desejável (por exemplo, elogios, atenção, recompensas) depois que a criança se envolve em um comportamento específico, aumentando assim a frequência desse comportamento no futuro.

Isso pode ser feito de várias formas, como elogios verbais, que são mais bem-sucedidos quando o feedback é genuíno, específico e imediatamente após a exposição (“Parabéns Valentina por ter conversado com alguém novo! Ótimo trabalho!” Em vez de só “Parabéns!”), portanto a criança entende qual comportamento corajoso você aprecia.

Todos os esforços positivos, grandes e pequenos, merecem elogios.

A mudança é muitas vezes desafiadora.

A orientação de um terapeuta pode ser útil.

Referências

Craske, MG, Kircanski, K, Zelikowsky, M, Mystkowski, J, Chowdhury, N, & Baker, A. (2008). Otimizando a aprendizagem inibitória durante a terapia de exposição.

Foa, EB e Kozak, MJ (1986). Processamento emocional do medo: exposição a informações corretivas. Boletim psicológico, 99, 20-35.